RÁDIO CIDADE MATOSINHOS

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

LUSITANOS SAI VENCEDOR DO DERBI MATOSINHENSE

II DIVISÃO A F PORTO SERIE 1
Complexo Desportivo Municipal de Leça da Palmeira
Árbitro Nelson Pascoal
ALDEIA NOVA 0 OS LUSIATNOS 3
Ao intervalo, 0-0 – marcadores, Meneses (55`) Calado (65`) Ricardo Lopes (85`)

ALDEIA NODA: Vilaça, João, Igor, Pinto e Ivo; Barros, Filipe e Gouveia (Daniel) Hélder (Noronha), Soares, Paulinho. Treinador Luís Magalhães.

OS LUSITANOS: Rui Sérgio, Coelho, Guerra, Sérgio Teixeira e Tarrelo, Carveli (Sandro), Ricardo Silva (João) Meneses, Paulo, Calado e Carlos Miguel (Ricardo Lopes). Treinador Albino Guerra.

O derbi matosinhense, terminou com um vencedor justo
Os Lusitanos de Santa Cruz do Bispo, confirmou o favoritismo que se lhe reconhecia, frente ao G D Aldeia Nova.
A primeira parte, decorreu algo incaracterística, o Aldeia Nova que fazia as honras da casa, muito por culpa da mais valia técnica do adversário, jogou mais na contenção, recorrendo muitas vezes à falta, cometidas a meio campo, para travar o adversário, neste capitulo o jogo foi um pouco faltoso e com bastantes paragens – 15 faltas cometidas pelos da “casa” e apenas 3 por parte dos visitantes, em suma pouco de futebol se jogou os primeiros 45`minutos.

Marcos Calado autor do segundo golo.

No regresso das cabines, o jogo transformou-se por completo, a mais valia técnica dos jogadores de Os Lusitanos, veio ao de cima, e a experiencia dos homens vestidos de amarelo e negro, veio a ser determinante no desfecho do resultado. O primeiro golo apareceu com naturalidade, apontado pelo médio Meneses aos 55`minutos – Decorridos 10`minutos, é a vez de Calado ampliar a vantagem para dois a zero. Tudo isto com uma resposta muito ténue por parte do conjunto perafitense. O terceiro golo aparece ao minuto 85` por Ricardo Lopes, que entretanto tinha entrado no jogo, substituindo Carlos Miguel. Vitória justa, com um vencedor que jus ao seu favoritismo. A equipa do Aldeia Nova, que diga-se; é o primeiro ano nestas andanças, tem de arrepiar caminho para sair do fundo da tabela. A equipa de Os Lusitanos, que recentemente mudou de comando técnico, por razões sobejamente conhecidas, já vai em duas goleadas consecutivas sem sofrer qualquer golo, sobe o comando técnico de Albino Guerra.

SCS HORA VENDE CARA A DERROTA


Excelentes condições para uma tarde bem passada em Gulpilhares, com a equipa do Senhora da Hora a demonstrar um futebol muito bonito, com muita dinâmica ofensiva só pecando pela finalização.

Senhora da Hora com Gamito, Fábio, Ramalho, junior, Diogo, Jordan, Sérgio, Ferrer, Kaka (70 m Cristiano), Moreira e João.

A equipa de Matosinhos entrou no jogo com um espírito de vitória, praticando um bom futebol, com jogadas dignas de registo, causando muitos problemas á defesa do Gulpilhares, pecando somente na finalização. Entrada no segundo tempo com mais caudal ofensivo, com apoio dos médios no ataque, consegue duas grandes oportunidades para fazer golo, pois os avançados do Senhora da Hora encontravam-se somente frente ao guarda rede, mas não conseguiram fazer o que todos desejavam, aos 78 minutos e quando ninguém esperava, após muito tempo sem chegar á baliza do Senhora da Hora, uma "bomba" fora da área do avançado do Gulpilhares, fazendo a bola entrar, para desanimo dos visitantes, pois não mereciam este balde de água fria, mesmo assim tentaram chegar a igualdade, mas a equipa de Gulpilhares mais madura, não permitiu e segurou o jogo até ao final.
Arbitragem muito boa

Por Pedro Silva

VITÓRIA AO CAÍR DO PANO!

I DIVISÃO A F PORTO SERIE 1
Campo do Caíde Rei – Lousada
Árbitro Fernando Nunes
CAÍDE REI 1 PERAFITA 2
Ao intervalo, 1-1, marcadores – Pinto (24`) Hélder Maia (28`) e Paulinho (94+4 gp)


CAÍDE REI: Leão, César, Vítor Hugo, Guilherme (Nando), André; Filipe, Freitas e Pinto; Márcio (Mário), João (Rui) e Flávio. Treinador António Babo

PERAFITA: Mata, Marco, Trajano, Hélder Maia e Alex; Marco Moreira (Carinhas), soberano e Tinaia (Ivo), Álvaro, Paulinho e Lutchindo (Cheta). Treinador António Gaiteiro

O jogo realizado ontem em Caíde Rei, foi jogado sobre um intenso calor, num pelado muito bem conservado e de grandes dimensões. Antevia-se um jogo difícil para o líder e assim foi.

O FC Perafita entrou em campo com o objectivo de vencer um adversário que se encontra nas últimas posições da tabela classificativa, para dar continuidade ao excelente campeonato que tem vindo a fazer. Por seu lado os visitados, precisavam de pontos para sair da zona aflitiva onde se encontram.
O futebol praticado não foi o mais bonito, os visitantes não corriam o menor risco e mal a bola se aproximava da sua área defensiva a sua única preocupação era faze-la sair da mesma de qualquer forma e direcção. Mas, mesmo assim, o FC Perafita conseguiu chegar com algum perigo, à área do adversário, mas os seus atacantes não conseguiam finalizar da melhor forma. Numa bola despejada pela defensiva do Caíde Rei, o esférico é colocado nas costas da defensiva dos visitantes, onde, em situação de fora de jogo, o avançado dos locais caminhou para a baliza adversária e colocou os locais a vencerem, na única ocasião de perigo que os locais “construíram”, em toda a primeira parte. O FC Perafita ficou atónito com o golo sofrido, o que serviu para acordar os visitantes, que logo de imediato criaram lances de golo. O FC Perafita apostava nos lances de bola parada, onde tem sido neste campeonato muito forte, numa falta ganha junto à linha de fundo do lado direito, Paulinho cobra muito tenso, para o interior da área, onde surge Hélder Maia livre de marcação a encostar para o golo da igualdade.

Com o inicio da segunda parte, assistiu-se a uma modificação da pratica do futebol por parte dos visitantes, com mais circulação do esférico, conseguiam aqui e ali desconcentrar a defensiva local, fazendo o perigo acercar-se da área defensiva dos locais, nesta segunda parte o Caíde Rei, somente contra atacava, mas sem criar perigo para a defensiva do FC Perafita. Com a passagem do tempo os locais começaram, novamente a jogar mais com o coração do que com a cabeça, o seu futebol saia mais directo, ganhando consecutivos pontapés de canto e lançamentos laterais que eram autênticos cruzamentos para a área dos locais, mas mesmo assim o Caíde Rei lá ia segurando o empate com algum anti jogo à mistura. Já em pleno período de descontos, num dos muitos cantos apontados pelo FC Perafita, a bola é cruzada para o primeiro poste onde na confusão é agarrado pelos adversários Hélder Maia, a bola é cortada para fora da grande área, mas o Juiz da partida interrompe o lance mostrando um cartão vermelho ao defensor que se encontrava a agarrar o capitão do FC Perafita, no primeiro minuto não foi clara a sinalética do árbitro, mas depois de encaminhar o jogador dos locais para fora do campo, encaminha-se para a marca da grande penalidade, assinalando-a como mandam as regras, gerou-se um sururu em toda a assistência e nos jogadores do Caíde Rei. Chamado a converter Paulinho não desperdiçou a hipótese de garantir uma difícil vitoria para o líder.Concluindo, foi uma vitoria tirada a ferros, muito difícil, perante uma equipa que vai fazer valer os seus atributos principalmente o factor pelado e a sua grande entrega, mas o FC Perafita só se pode queixar de si próprio, pois durante grande parte da primeira parte não foi aquela equipa que vem demonstrando desde a primeira jornada.

VITÓRIA SOFRIDA NO PADRÃO DA LÉGUA


II DIVISÃO ZONA CENTRO
Estádio do Padroense FC – Padrão da Légua – Matosinhos
Árbitro Quitério Almeida
PADROENSE 2 ANGRENSE 1
Ao intervalo, 1-0, marcadores, Vítor Lobo (41`) Ruben (78`) e Penates (90+1`)

PADROENSE: Marco, Tonel (Paulinho), Armando, Daniel e Vítor Lobo; Mariano, Seabra e Miguel; Bruninho, Andrade (Marcão) e Benvindo (Penantes). Treinador Augusto Mata

ANGRENSE: Délcio, Flor, Eugénio, Gonçalo e Rui (Ivo) Magina, Ruben, Ariston (Riky), Luís, Pedro (Flávio), Graxinha. Treinador João Alves.

A vitória do Padroense, assenta sobretudo no que a equipa fez nos primeiros 45`minutos
Com uma primeira parte em que a equipa de Matosinhos, foi manifestamente superior ao seu adversário. Produzindo um futebol com boa dinâmica, jogado por todos os sectores, com constante trocas de bola, a equipa do Padroense cedo se acercou do último reduto defensivo da equipa do Angrense, criando lances de perigo, que lhe poderiam dar um resultado mais tranquilizador ao intervalo. Bruninho jogador do momento do futebol de Matosinhos (póquer na ultima jornada), ainda atirou ao poste da baliza à guarda de Délcio, mas seria Vítor Lobo a dar vantagem ao conjunto Matosinhense ao minuto 41` dando justiça ao marcador.

PENATES VIRA HERÓI DO ENCONTRO.

Na segunda etapa, e quando se previa que os BRAVOS DE MATOSINHOS, dessem a estocada final no adversário, não aconteceu! E foi a equipa forasteira que chegou à igualdade ao minuto 78` por intermédio de Ruben Azevedo. Resultado penalizador para os homens comandados pelo técnico Augusto Mata, que rapidamente, mexeu no seu xadrez, fazendo entrar o ponta de lança, Penantes, que viria a ser o herói do encontro, quando já muitos não acreditavam, o avançado colocou a equipa do Padroense à frente no marcador, já em período de descontos dados pela equipa de arbitragem. Resultado justo, vitória sofrida, muito por culpa da equipa de casa, que adormeceu à sombra de um resultado escasso obtido na primeira parte.

FOTOS DOMINGOS LOBO

CONTRA-ATAQUE FORASTEIRO FOI LETAL


III DIVISÃO SERIE B
Estádio do Leça
Árbitro Joaquim Gayo
LEÇA 0 CESARENSE 1
Ao intervalo, 0-0, marcador, Hugo (55`)

LEÇA: Fábio Zé d´Angola, Madalena, Zé soares e Ernesto, André Moreira, Rui Ramos, Sérgio Vasconcelos (Ricardinho), Moura, João Alves (Tiago André) e Pedro Gomes (Magno). Treinador Armindo Machado

CESARENSE: Marco, Oliveira, Tiago, Paulo Jorge, Américo, João Pinto, Zé Carlos, João Paulo (Valente) Hugo (Pedrinho), Toninho (Hélder) e Carlitos. Treinador Joaquim Martins.


A equipa do Leça, recebeu o líder da prova, num jogo disputado a meio campo, em que os sectores mais recuados superiorizaram-se ao mais ofensivos. A primeira decorreu com boa dinâmica, mas com as equipas a preferirem não arriscar. À maior posse de bola dos da casa, responderam os forasteiros em lances de contra-ataque, criando alguns lances de perigo, tendo surgido a verdadeira oportunidade de golo, quando aos 20`minutos o guardião Fábio, evitou que o Cesarense se adianta-se no marcador, com uma grande defesa desviando abola para o poste. A equipa do Leça, só em lances de bola parada assustava o último reduto forasteiro. O resultado saldou-se numa igualdade a zero ao fim dos primeiros 45`minutos, que de alguma forma espelhava o que se tinha passado.


Na segunda parte o cariz do jogo não se alterou, E foi mais uma vez em lance de contra-ataque que a equipa de Cesar- Oliveira de Azeméis, chegou ao golo ao minuto 55`, por Hugo, após cruzamento da direita, não perdoou. A partir do golo sofrido a equipa leceira, como que acordou, e foi em busca do tento da igualdade, com muita vontade e garra, mas era notório que o poderio atacante dos leceiros, não era suficiente para ultrapassar a bem organizada defensiva do Cesarense. Moura, médio da casa, teve nos pés excelente oportunidade para igualar a partida a cinco minutos do término do encontro.
Com uma arbitragem irregular, a igualdade era justificada ao desenrolar dos acontecimentos.

LEIXONENSES AZARADOS EM SOLO INSULAR


17.ª jornada da Liga de Orangina,
Jogo disputado no Estádio São Miguel, em Ponta Delgada.
Árbitro: Hélder Malheiro (Lisboa).
Ao intervalo, 0-0, marcadores, Platini (49`) Minhoca (51 gp)

Santa Clara: Stefanovic, André Simões, Sandro, Edgar, Paulo Grilo, Djurdjevic (Piccolo, 66), Lourenço, Minhoca (Nelson, 86), Alex (Sylvestre, 45), Platini e Moreira.

Leixões: Waldson, Paulinho, Joel, Fausto, Florent (Hernâni, 54), Jumisse, Marcelo, Paulo Tavares, Pedro Santos, Feliciano (Wesllem, 54) e Diego Mourão (Moisés, 65).



As duas equipas entraram em campo com uma postura pouco agressiva, com muitos passes falhados e pouca eficácia na construção de jogadas, tornando o jogo algo desinteressante. Aos 18` minutos, na área do Santa Clara, Djurdjevic "cortou" um cruzamento de Feliciano, da ala esquerda, com a mão, numa infração que deveria ter sido punida com uma grande penalidade. Pouco tempo depois, Pedro Santos e Jumisse desperdiçaram a oportunidade de inaugurar o marcador, o primeiro com um remate forte, que Stefanovic defendeu para a frente, e o segundo com um "tiro" por cima da baliza numa recarga. O resultado de 0-0 ao intervalo estava desvirtuado, Leixões tinha tido as melhores oportunidades de marcar e havia sido perdoada uma grande penalidade aos insulares.

DOIS GOLOS EM TRÊS MINUTOS, DERROTAM LEIXONENSES


O intervalo veio e com ele os golos. Aos 49’ Platini inaugurou o marcador, ele que apenas teve de encostar a bola para o fundo das redes depois de uma jogada de Moreira. Aos 51’ o árbitro assinou uma grande penalidade a favor dos da casa levando à amostragem do amarelo para Marcelo. Minhoca envia a bola à trave. Se falhou a grande penalidade, Minhoca já não falhou no remate aos 52’ e ampliou a vantagem para o Clube Desportivo Santa Clara. Em apenas três minutos, a equipa de Matosinhos, via-se a perder por duas bolas a zero. Aos 67 minutos, o Leixões quase reduziu a desvantagem, através de um cruzamento rasteiro de Hêrnani, que passou por todos os jogadores, incluindo o guarda-redes Stefanovic, sem que nenhum lhe tocasse e acabou por bater no poste direito da baliza. O Leixões terminou a partida reduzido a nove jogadores depois da expulsão de Marcelo, que viu o segundo amarelo e consequente vermelho por atrasar a reposição da bola ao Santa Clara, e devido a lesão de Joel. Após sete minutos de compensação, o Santa Clara garantiu o primeiro triunfo do ano, enquanto o Leixões continua sem vencer desde a 10.ª jornada.

FOTOS - AÇORIANA ORIENTAL

MIGUEL EM GRANDE NA VITÓRIA LAVRENSE - ( FREITAS de regresso à competição)

A equipa Lavrense, está de regresso às vitórias, venceu na tarde de Domingo a bem organizada equipa do Folgosa da Maia, por uma bola a zero. O golo Lavrense, foi obtido no decorrer da segunda parte, nasceu de um cruzamento de Grilo II pelo lado esquerdo do ataque Lavrense e interceptado por um defesa maiato que desvia para a sua própria baliza. Em destaque nesta partida, esteve Miguel, jogou e fez jogar, cotando-se como o melhor em campo, na sua estreia como titular esta época. De referir também o regresso do avançado Freitas, depois de prologada (meia época) lesão.

O Lavrense alinhou: Miguel Mota, Grilo II, Filipe Sousa, Ribeiro, Dany, André Grilo, Gonçalo, Miguel, Heldinho, Hugo Almeida e Tiago. Treinador Hugo Reis.

CUSTÓIAS EMPATA NUM EXCELENTE JOGO DE FUTEBOL.


DIVISÃO DE HONRA AF PORTO 19ª JORNADA
Estádio do Custóias FC
Árbitro Renato Barqueira
CUSTÓIAS 1 NOGUEIRENSE 1
Ao intervalo, 1-0 – marcadores, Caramalho (7`) e João Paulo (62 `)

CUSTÓIAS: Meneses, Pessoa (Noura), Luizão, Eduardo e Nuno Ribeiro; Dias, Renato e Mário Rui (Tiago Carvalho); Gandarela, Caramalho (Nuno Santos) e David. Treinador Paulo silva

NOGUEIRENSE: Castro, Veiga, Lalas, Rudy e Barbosa, Ratinho (Carminé), Bruno Costa, Alcino Assumane (João Pedro), Pedrinho e João Paulo. Treinador Rui Ferreira

MELHOR COMEÇO CUSTÓIENSE

Quem assistiu ao jogo, por certo não deu como perdido o tempo utilizado. Foi de facto uma excelente partida de futebol, protagonizado por duas boas equipas. A incerteza, quanto ao resultado final, foi uma constante durante os noventa minutos.
Começou melhor a equipa da casa, impondo boa dinâmica de jogo, com a bola a passar por todos os sectores, mantendo a posse, futebol de primeiro toque, cedo ameaçou a defensiva do Nogueirense, que como incrédula, via-se com dificuldade para suster o melhor futebol da equipa custóiense. Aos 7`minutos Caramalho dá vantagem ao melhor futebol praticado pela sua equipa, canto apontado pelo lado direito, por David, ao primeiro poste, e o avançado a encostar de cabeça. O jogo desenrola-se com uma toada de parada e resposta, a equipa do Nogueirense, consegue um ligeiro ascendente e João Paulo (avançado matosinhense) proporciona uma grande defesa ao guardião Meneses, que responde inextremis a um bom golpe de cabeça do avançado, iam decorridos 30`minutos. A primeira parte aproximava-se do fim, e João Paulo, muito irrequieto na frente de ataque do Nogueirense, ia pondo em sentido a defensiva custóiense, que bem organizada, ia mantendo as suas redes invioladas.

RENATO BAR(RA)QUEIRA QUASE ESTRAGA TUDO!

O segundo tempo, o cariz do jogo não se alterou, as duas equipas, dispostas a proporcionar um excelente espectáculo. Jogo de parada e resposta, oportunidades para ambos os lados, com os guarda-redes em destaque. Aos 59`minutos a equipa do Custóias, fica muito perto do 2 a 0, David faz brilhar o guardião Castro. Até que tudo mudou a partir do minuto 62` altura em que os visitantes chegaram à igualdade, num lance ferido de legalidade, Sr. árbitro, que até aqui estava com uma actuação irrepreensível, não conseguiu ver e marcar devidamente, duas faltas atacantes, consecutivas, abola sobra na direita, Carminé cruza e João Paulo de cabeça faz a igualdade. A equipa do Custóias responde bem e Tiago Carvalho, desperdiça de uma forma incrível, uma grande oportunidade, ao segundo poste, isolado com a abaliza escancarada, guarda-redes batido, atira para fora. A partir deste momento, o campo ficou inclinado em prejuízo dos matosinhenses, empurrados autenticamente pelo trio de arbitragem, que não descansou em quanto não inferiorizou a equipa custóiense em termos numéricos, Renato é expulso aos 77`minutos. A equipa do Nogueirense força nos últimos minutos na tentativa de chegar ao golo da vantagem, criando lances para tal, Carminé permita que Meneses volte a brilhar, mas pertenceu aos custóiense, que nunca se amedrontaram, a melhore oportunidade para levar de vencido este encontro. Já em período de descontos (4`), David, só com o guarda-redes pela frente, não consegue marcar. Os quatro minutos de desconto, dados pelo árbitro, viraram oito, e marcando faltas forçadas sucessivas à frente da área custóiense, vai-se lá saber porquê!...e expulsando, Luizão e o guarda-redes suplente, Márcio.

Em suma um excelente espectáculo de futebol, quase estragado por uma equipa de arbitragem, que inexplicavelmente se transformou.

Uma palavra de apreço para a equipa do Nogueirense, que sempre se bateu de uma forma leal, tentado levar de vencida a equipa do Custóias.

Os destaques desta partida, vão para Eduardo (Custóias), de regresso a uma posição que bem conhece (defesa central) e para João Paulo (Nogueirense ex Custóias) uma seta apontada a baliza de Meneses

Arbitragem, simplesmente deplorável

LEIXÕES SC EQUIPAS DE SONHO

LEIXÕES SC EQUIPAS DE SONHO

LEÇA FC EQUIPAS QUE FIZERAM HISTÓRIA

LEÇA FC EQUIPAS QUE FIZERAM HISTÓRIA

FC INFESTA GRANDES EQUIPAS

FC INFESTA GRANDES EQUIPAS

PADROENSE FC EQUIPA QUE SUBIU Á II NACIONAL

PADROENSE FC EQUIPA QUE SUBIU Á II NACIONAL

SC SENHORA DA HORA EQUIPAS

SC SENHORA DA HORA EQUIPAS

CUSTÓIAS FC AS SUAS EQUIPAS

CUSTÓIAS FC AS SUAS EQUIPAS

UD LAVRENSE A MELHOR EQUIPA

UD LAVRENSE A MELHOR EQUIPA

FC PERAFITA AS SUAS EQUIPAS

FC PERAFITA AS SUAS EQUIPAS

D LEÇA DO BALIO

D LEÇA DO BALIO

OS LUSITANOS SCFC

OS LUSITANOS SCFC