RÁDIO CIDADE MATOSINHOS

quinta-feira, 21 de março de 2019

DOMINGOS BARROS "O importante não é o que as pessoas esperam de nós, mas sim o que os Leceiros esperam"

MITCHFOOT - Olá Domingos, para iniciar a nossa conversa diz-nos quem é o treinador Domingos Barros?

DOMINGOS BARROS - Sou um homem de 37 anos que ambiciona fazer uma carreira de treinador que orgulhe aqueles que me acompanham desde sempre (família, amigos..). Sou completamente apaixonado pelo jogo e pelo fenómeno futebol, cheio de ambição...ambição essa moderada, pois quem é demasiado ambicioso perde o discernimento do que é a realidade envolvente, com a noção que neste momento acabo por ser um treinador amador que tem um emprego exigente mas que gosta de controlar aquilo que pode, tentar controlar todos os fatores intrínsecos da minha equipa, e tentar antecipar, condicionar todos os fatores extrínsecos que possam existir, pois esses nós treinadores não somos capazes de controlar. A partir daí tenho as minhas ideias e a minha filosofia. Gosto que a equipa esteja 100% focada em tudo o que temos que fazer. Tudo o que fazemos dentro de campo é estudado dentro do nosso amadorismo( escassez de tempo), mas gostamos de ter tudo definido e justificado. O trabalho do treinador é muito mais que o treino! É gerir tudo o que está à volta, desde elementos da equipa técnica a jogadores passando por diretores e adeptos e ter a capacidade para olhar e puxar valores. Não é só ao fim de semana ir para o banco. Há coisas que aprendemos e corrigimos diariamente. Hoje em dia o treinador trabalha varias horas por dia, desse modo imagina a dificuldade de quem treina no CNS e tem um emprego exigente como já o disse. Há coisas do dia a dia que tu podes aproveitar para o dia de competição e nós vivemos muito assim. Quero crescer devagar e ter a minha ambição moderada. 

M - O que é que te passou pela cabeça quando foste convidado para ocupar o cargo de treinador? Que seria a tua grande oportunidade,? Achas que este momento é um verdadeiro teste de fogo?

DB - Na altura faltavam 3 jogos para terminar a época 2015/2016, e o mister Nuno Costa saiu para abraçar um projeto como adjunto na 1 liga. Pelo momento em que a equipa estava, admito que tive algum receio, pois já não vencíamos à 8 jogos na Elite, mas passadas algumas horas e depois de falar com algumas pessoas, percebi que era a hora, que poderia ser uma oportunidade única e que tinha que me esforçar, pois, se queria ser um dia treinador de uma equipa profissional, e principalmente fazer historia no clube do coração esta poderia ser a altura certa. O que eu tenho a dizer é que poderei vir a ser ou não um grande treinador. Mas há coisas de que nunca me vão acusar: Falta de profissionalismo, de organização ou de ompromisso com o clube e acima de tudo de Paixao pela causa. A partir daí, as pessoas podem tirar as suas próprias ilações. Desde o princípio que me agarrei aos jogadores fizemos com que os jogadores se agarrassem ao Leça, e principalmente que os adeptos voltassem a sonhar, e só depois de conquistares tudo isto é que tens de ter a capacidade de perceber que são os desfechos semanais que vão construindo aquilo que são os teus números. Hoje tenho uns bons números, 3 épocas como treinador, numa equipa mergulhada numa crise financeira, com um orçamento baixíssimo relativamente aos concorrentes, mas um clube cumpridor, e nestas 3 épocas conseguimos um 4º lugar e um titulo de Campeão da Elite. Tinha um objetivo, e sendo o meu clube de coração, tinha o objetivo pessoal de o levar aos campeonatos nacionais. Ainda tremo ao falar desse momento, pois passados 2 anos, recordar o trajeto de um clube que estava mais perto da divisão de honra do que do CNS, e ver onde estamos hoje é fantástico, e cá estamos nos Nacionais, fruto de competência do dia-à-dia de todos que compõem esta estrutura, e não de um plano e suporte capaz de planear uma subida de divisão. Sabemos que temos muito para aprender, é verdade, mas as coisas foram acontecendo e acredito que estamos no caminho certo. A gestão de carreira faz-se diariamente e não a pensar no futuro. O que importa é que as pessoas acreditem no trabalho desta equipa técnica , porque nós acreditamos que somos as pessoas certas para esta função, apesar de todas as dificuldades que enfrentamos nesta nova realidade. Todos acham que foi precoce, esta subida de divisão, e estruturalmente foi, não podemos negar, mas eu cada vez mais faço uma avaliação semanal não deixando que as coisas se desenrolem, mas eu vivo semana a semana, adversário a adversário com a certeza que no final, continuaremos no caminho do sucesso. 

M -Esta época em que os resultados não estão a ser positivos sentes alguma desconfiança das pessoas, especialmente devido à inexperiência a este nivel?

DB - DSim, claro que sim...é normal e o futebol é resultado. Mas essa desconfiança só me dá ainda mais motivação. A desconfiança que muitas pessoas apresentam existe porque não conhecem a nossa forma de trabalhar. Quem me conhece verdadeiramente, perceberá, que daqui a algum tempo, se as coisas correrem bem ou mal, eu continuarei a ser a mesma pessoa . Eu vou continuar igual a querer ser melhor todos os dias, a acordar com uma paixão enorme pelo que faço, a estar sempre a sorrir e a chegar ao fim do dia exausto mas feliz. As pessoas que andam no futebol têm tendência para não dar tempo, mas quem tem o nosso percurso tem a plena certeza que está preparado para os desafios futuros. Quem sai em busca do conhecimento e da experiência, vai estar preparado para este grande compromisso. E de uma coisa tenho a certeza, o Leça está melhor hoje do que estava há um ano, e temos uma ambição imensa que daqui a 6 meses estará melhor do que hoje , é isso que nos move. 

M -Tens alguma meta de idade para alcançar o profissionalismo?

DB - Não, não tenho nada traçado. Se chegar da forma tão exponencial como até agora, será mais um desafio e vou tentar cumprir. Mas não tenho essa questão de querer tudo já, até porque, como já disse, tenho uma ambição moderada. Hoje trabalho assim, amanhã vou tentar trabalhar melhor e assim sucessivamente. Depois, as pessoas vão, ou não, querer apostar em mim para patamares mais altos, em função dos objetivos cumpridos. Sinto que se tiver que ficar no CNS como amador ou aceitar um projeto de Elite, que irei fazê-lo, se tiver condições que eu considere que sejam de sucesso, onde as pessoas estão envolvidas para o mesmo objetivo. Aí, qualquer projeto credível será analisado. Mas não tenho aquela vontade de chegar o mais depressa possível. 

M -Como vês o jogo? Dás mais importância às individualidades ou ao coletivo?

 DB - O coletivo tem sempre de se superiorizar ao individual, contudo acho que devemos sempre potenciar muito a individualidade porque em competição faz toda a diferença. Temos de perceber e gerir a individualidade dentro do coletivo. A individualidade não pode em momento algum sobrepor-se ao coletivo, mas é um fator determinante dentro do mesmo. E é um pouco dentro disso que nós trabalhamos. Não tenho qualquer tipo de problemas em ter conversas individuais com jogadores, em gerir expetativas individuais ou em permitir ao jogador que ele conheça as suas possibilidades de intervenção na equipa. Porque ele tem que estar a espera do que tu possas dizer ou da forma como vais reagir. Caso contrário, se for surpreendido, pode ter interpretações que tu não queres. Quando tenho que falar, falo sem qualquer problema. Quando tenho que brincar no início de um treino, faço-o sem problema. Mas quando é para trabalhar e focar, é mesmo para isso mesmo. A individualidade faz a diferença, quer seja o central que consegue anular o craque adversário, quer seja o nosso avançado a fazer golo de um momento para o outro. Isso é trabalho! Há que ter a capacidade de perceber a melhor forma de retirar rendimento do jogador, no que pode ou não fazer e que influenciar o jogo. 

M - Geralmente fala-se sempre no todo e não na importância das individualidades. Mas para ti, ambas são importantes no teu jogo. Estrategicamente preparas o jogo com base nessas “armas” do adversário? 

 DB - No plano estratégico do “próximo” jogo vê-mos pontos fortes e fracos do adversário e a partir daí temos uma complexidade de aspetos que olhamos mais do que outros. E isso adquire-se com a experiência e com o contexto onde estamos inseridos. Os números são importantes, mas não definem tudo. Tu podes ter números, mas a qualidade pode fazer mais a diferença. Todos sabemos que mesmo vendo o adversário como um todo, muitas vezes mais do que o coletivo, temos que lidar com pessoas e descobrir o momento em que elas podem decidir. Por exemplo, eu no treino sou mais exigente com o coletivo do que com o individual, mas fico triste e desiludido quando sinto que o jogador A ou B não está a treinar com ambição que pretendemos para o nosso “todo”. Há jogadores que não atingem o sonho porque falham nas coisas básicas do dia-à-dia , falham nas coisas que acham que não têm importância, não se lembram que para o objetivo final, todos os detalhes são fundamentais. Como equipa técnica não somos impulsionadores de treinos longos, preferimos unidades de treino curtas entre os 60 e os 75 em função do dia da semana, de fatores meteorológicos e do que queremos trabalhar naquele dia. 

M -O que é que as pessoas podem esperar do 'teu' Leça nesta reta final? 

 DB - O importante não é o que as pessoas esperam de nós, mas sim o que os Leceiros esperam, e principalmente saber quais são as nossas expectativas internas. As ultimas 2 epocas que o Leça esteve nesta divisão, não conseguiu a manutenção, acabou sempre por descer. Logo o nosso foco e principal objectivo é contrariar essa tendencia, e manter o clube nos nacionais. Tivemos um inicio difícil, péssimo em termos de resultados. Estamos adaptarmo-nos a uma nova realidade, acho que em termos de choque de realidade não subimos um só degrau , mas sim uma escadaria. Quem nos acompanha, quem nos vê jogar sente que a equipa nada fica a dever aos adversários em termos de organização e de sentido coletivo do jogo. Está a faltar sermos mais fortes no individual, tanto eu como treinador, pois tenho que decidir melhor, tenho de me adaptar à realidade, e à soma de pontos, quanto aos jogadores devem pensar com mais objetividade que cada ação deles no jogo é decisiva para o desfecho final, devemos ter a velha máximo não facilitar , zero riscos. O nosso objetivo é tentar sofrer menos golos, se possível não sofrer, queremos estabilizar igualmente a equipa nos jogos em casa. Acredito que vamos começar a manter um registo sólido em termos defensivos, mas, acima de tudo, temos que ter a noção que vivemos de resultados. É bom apresentarmos um bom futebol e uma ideia coerente de jogo, mas o que isso importa se não somas pontos? São eles que vão ditar o nosso caminho. Que a equipa não está bem, sou o primeiro a assumir, agora custa ouvir aquela critica fácil e infundada de quem conhece a nossa realidade as nossas dificuldades e o nível superior em que competimos. Tenho a certeza que vamos chegar ao momento em que a equipa vai estar bem, sendo o mérito de todos mas principalmente dos jogadores, porque são eles que controlam aqueles 90 minutos. É para eles que nós treinadores, posto médico, roupeiros, dirigentes, e adeptos, trabalhamos, para lhes dar as melhores condições. É na adversidade que se vê o homem, e é na derrota que valorizamos as vitórias. 

M -Quais são as tuas maiores referências?

DB - Todos os treinadores que trabalhei desde o meu percurso como jogador até hoje, todos eles me ensinaram algo e guardei sempre algo de cada um. Deixa-me focar o Mister Antonio Pedro, hoje meu adversário, foi o primeiro treinador que me fez ter uma visão diferente do jogo, se calhar se hoje sou treinador, devo-lhe a ele e com a forma que ele me fez ver o jogo. O Nuno Costa, por ser da minha geração e por possuir uma bagagem enorme tanto a nível teórico como pratico, desde a ciência ao jogo e às tomadas de decisão. Friso igualmente o Mister Oscar Nogueira, apaixonado pelo futebol, não só pelo treino/jogo mas tal como eu pelo fenómeno na globalidade, é uma pessoa com um conhecimento enorme e com grandes qualidades humanas. Falando de referencia globais, o Mourinho como não podia deixar de ser e o Vilas Boas pela forma que vê o jogo e pelo seu sentido comunicacional. Treinador estrangeiro, destaco o Guardiola pela irreverência e qualidade de jogo das suas equipas M -Para finalizar como vês o teu futuro? DB - Quero continuar a treinar e a evoluir enquanto homem e treinador. Tenho ambição e o desejo de um dia viver do futebol. Mas neste momento estou como sempre estive e como sempre estarei ,mesmo quando sair daqui continuarei focado no melhor para o Leça e com vontade de servir este clube centenário com o pensamento de fazer mais e melhor. Para finalizar deixar uma palavra de agradecimento aos que me rodeiam, aos meus pais, irmão, avós e restante família, aos meus amigos de sempre pois são eles o meu verdadeiro suporte, onde vou buscar força nos piores momentos e inspiração nos seus sucessos. Agradecer a uma pessoa especial neste processo todo desde o inicio do “Domingos, Mister”, que esteve ao meu lado praticamente desde o momento que abracei o projeto como treinador, e que mais sofreu por eu estar distante e sempre agarrado ao “meu Mundo futebol” ...Obrigado Marisa!!! 
Neste ecossistema, sem serem diretamente referencias ao fenómeno futebol tem que entrar os meus colegas de trabalho na JTM GROUP e os administradores da empresa 🙂 
Obrigado!! Não posso deixar de agradecer a todos os diretores do Leça, principalmente ao F.Monteiro, José Pedro, David, Nora e o presidente José Pinho, obrigado pela confiança depositada no meu trabalho. Ao Dep. medico, Dr. Coutinho, Dr. Hugo Coutinho, o grande Alfredo Morais, Noura e Costinha. Ao Tamata e Marlene pela presença diária e por tudo fazerem, para que nada nos falte 🙂 
Obrigado!! Aos membros da minha equipa técnica, ao campeão Europeu Milic Jovanovic, Pedro Cerqueira, Zé Soares e Pedro Moreira, só vos digo que vamos continuar a escrever historia!! Incluo neste grupo o Miguel Salvador, pela partilha no ano passado pelo conhecimento mutuo que passamos um ao outro, e pelas conversas que ainda mantemos. 
Obrigado amigo!! A todos os jogadores que passaram por mim nestes 2 anos, aos que cá continuam e aos que saíram, sinto que todos cumprimos os objetivos propostos sempre por excesso. Sem a vossa disponibilidade sacrifício e acima de tudo competência nada disto era possível, Vocês são uns heróis!! E no final um agradecimento a todos os Leceiros e a Leça da Plameira , à Brigada Verde e aos adeptos anónimos, pois com o v/ excepcional apoio o sucesso do Leça fica sempre mais perto!! Obrigado

LEIXÕES SC EQUIPAS DE SONHO

LEIXÕES SC EQUIPAS DE SONHO

LEÇA FC EQUIPAS QUE FIZERAM HISTÓRIA

LEÇA FC EQUIPAS QUE FIZERAM HISTÓRIA

FC INFESTA GRANDES EQUIPAS

FC INFESTA GRANDES EQUIPAS

PADROENSE FC EQUIPA QUE SUBIU Á II NACIONAL

PADROENSE FC EQUIPA QUE SUBIU Á II NACIONAL

SC SENHORA DA HORA EQUIPAS

SC SENHORA DA HORA EQUIPAS

CUSTÓIAS FC AS SUAS EQUIPAS

CUSTÓIAS FC AS SUAS EQUIPAS

UD LAVRENSE A MELHOR EQUIPA

UD LAVRENSE A MELHOR EQUIPA

FC PERAFITA AS SUAS EQUIPAS

FC PERAFITA AS SUAS EQUIPAS

D LEÇA DO BALIO

D LEÇA DO BALIO

OS LUSITANOS SCFC

OS LUSITANOS SCFC