RÁDIO CIDADE MATOSINHOS

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

AS OBRAS ?...ESTÃO PARADAS !!!...ENTÃO MEUS SENHORES, O QUE É QUE SE PASSA?


E as obras lá continuam a três velocidades, devagar, devagarinho e paradas
É o clube que sofra as consequências.
Continuam as mentiras, as falsas promessas, os adiamentos.
Mas um dia quando tudo isto acabar, lá vamos estar todos muito bem vestidos para a fotografia.
É uma pena que tanto se fale no associativismo, tanto se enalteça os dirigentes associativos, mas se coloque um clube já de si com muitas dificuldades financeiras, nesta situação desesperante, já que as receitas são zero, mas as despesas continuam a grande velocidade ao contrário das obras.

LUSITANOS, SOFRE DURO GOLPE EM ÁGUAS SANTAS

Mais um jogo em que a equipa do Lusitanos, para além de jogar futebol, teve que lutar contra tudo e contra todos, para conseguir terminar o jogo com o mínimo de estragos possíveis. Já vem sendo hábito em determinados momentos do campeonato, vésperas de jogos com determinadas equipas, aparecerem uns senhores vestidos de preto, que um dia alguém chamou de árbitros, a quererem ser os protagonistas do jogo, protagonismo a roçar o ridículo e completa falta de respeito por quem trabalha semanalmente para conseguir o melhor resultado possível. Mas vamos ao jogo, que começou logo com a demonstração inequívoca das intenções dos referidos protagonistas, ao assinalarem logo no minuto 2 uma falta perto da área do Lusitanos, falta inexistente e coroada com a mostragem de um cartão amarelo ao defesa do Lusitanos. A partir daqui e com o jogo a decorrer sempre no sentido da baliza do águas Santas, que se limitava a despachar bolas e a jogar em contra-ataque, foi o Lusitanos que criou algumas oportunidades de golo, sendo a mais flagrante protagonizada por Ricardo Lopes, que depois de passar por vários adversários, chutou colocado, proporcionando uma excelente defesa ao G.R. do Águas Santas. Num desses contra-ataques o Águas Santas chegou ao golo, num lance algo duvidoso, em que o atacante aparece isolado a fazer o golo. Neste lance o benefício da dúvida para o fiscal de linha, dado o lance rápido. O mesmo não se poderá dizer da pessoa vestida de preto que andava dentro do campo, já que para mostrar o seu protagonismo, amarelou quase toda a equipa do Lusitanos, não tendo o mesmo critério de avaliação em relação aos jogadores do Águas Santas, já que em faltas iguais e lances iguais, não mereceram o mesmo tratamento.
No recomeço da segunda parte, mais do mesmo já que logo nos primeiros minutos é mostrado o cartão vermelho directo ao jogador Sandro do Lusitanos, ficando assim a equipa reduzida a 10 elementos, complicando assim a vida a quem procurava recuperar da desvantagem. Com o jogo repartido e sem se fazer notar que o Lusitanos estava com menos um elemento, surgiu o 2º golo do Águas Santas, num lance puramente fortuito em que a bola aparece na frente do avançado, depois de tabelar em vários jogadores do Lusitanos. Para complicar ainda mais o Lusitanos fica reduzido a 9 elementos, com a expulsão de Xuxa, que vê o 2º amarelo num lance correctamente ajuizado, pena que o mesmo tipo de lance não tivesse merecido o mesmo tratamento, quando se tratava de jogadores do Águas Santas e venha na sequência de um primeiro amarelo mostrado no período em que o homem de preto decidiu brindar quase todos os jogadores do Lusitanos com amarelos. A partir daqui apareceu a supremacia do Águas Santas, que conseguiu fazer mais 2 golos, graças à superioridade numérica e ao desalento dos jogadores do Lusitanos, que mais se preocuparam em terminar o jogo sem serem mais castigados com cartões. Vitória justa do Águas Santas, por números algo exagerados, dados os acontecimentos e perante um trio que demonstrou ser muito fraquinho, demonstrou uma dualidade de critérios gritante e preparou o final do jogo para o que fosse necessário, já que ao amarelar quase toda a equipa do Lusitanos, estavam reunidas as condições para em qualquer altura castigar os mesmos com o 2º amarelo e consequente vermelho.

O Lusitanos alinhou com, Marco, Cordeiro (Xuxa), Carlos, Sandro, Rui, Meneses (Ricardinho), Costinha, Miguel, Ricardo Silva, Ricardo Lopes e Paulo (João).

Padroense: Germano Pinho é candidato a novo mandato


Germano Pinho vai avançar com uma recandidatura à presidência do Padroense. O dirigente ficou sensibilizado pela vontade de mais de metade do universo dos associados do clube, que se reuniram num abaixo-assinado a apelar à continuidade do presidente.
As eleições estão marcadas para o dia 25 de Março e a perspectiva é da permanência do actual líder do emblema por mais dois anos.
Há menos de um mês, Pinho fez soar alarmes no Padroense ao anunciar que estava de saída, rejeitando a apresentação de uma nova candidatura no próximo acto eleitoral.
Divergências com a Câmara Municipal de Matosinhos sustentavam a decisão, mas um grupo de sócios mobilizou-se numa campanha para demover o presidente dessa intenção e, anteontem, rompeu com um cenário de iminente crise directiva.
«Os sócios promoveram um jantar em que participaram perto de 200 pessoas e o pedido que me entregaram vinha assinado por mais de mil associados. O Padroense tem cerca de dois mil sócios e há uma clara maioria a querer a minha continuidade. Fui sensível a essa vontade e recebi ainda da Câmara uma mensagem do presidente, a ir no mesmo sentido», justificou Germano Pinho.
A ser eleito, o dirigente terá oportunidade de atingir 12 anos na presidência do emblema.
http://www.abola.pt/

CUSTÓIAS DESPERDIÇA A PRIMEIRA PARTE.


CUSTÓIAS , DEPOIS DE ATIRADO AO TAPETE, LEVANTOU-SE E PODIA TER GANHO.
S.PEDRO DA COVA 2 CUSTÓIAS F.C. 2
Local: S.Pedro da Cova- Gondomar, estádio do Laranjal
Jornada 17ª da divisão de honra da A.F.Porto
O jogo começa com as equipas, numa primeira fase de estudo mutuo, mas com a equipa de Gondomar, sempre de “olho” posto na baliza adversária, a equipa custóiense, algo apática e sem inspiração, ia permitindo que o adversário chega-se com perigo à sua baliza.
E como corolário lógico do que vinha acontecendo, a equipa da casa adianta-se no marcador. Sem reacção da equipa de Matosinhos, os gondomarenses aumentam a vantagem, com todo o mérito e desmérito à mistura da equipa do Custóias. A primeira parte não termina sem que Penantes, avançado do Custóias, atira-se ao poste da baliza anfitriã.
Ao intervalo 2-0, resultado que espelhava o que se tinha passado no terreno.

Ma segunda parte, a equipa do Custóias, apresenta-se de cara lavada e completamente transfigurada para melhor, tomando a iniciativa do jogo e à procura do prejuízo, lança-se em busca de amenizar o mesmo, criando várias oportunidades de reduzir a vantagem que lhe permitisse a reviravolta no marcador, e aos 60 minutos, Cerejo, reduz, para 2-1, para 5 minutos depois, o mesmo jogador, repor a igualdade a duas bolas. Até ao fim, foi uma procura constante, por parte da equipa de Matosinhos, em busca do golo, que lhe permitisse levar para casa os três pontos. Em suma, foi um bom jogo de futebol, que teve duas partes distintas, resultado justo a divisão de pontos, a equipa do Custóias, sai mais penalizada do encontro, pois poderia ter vencido o mesmo, não fosse a desastrosa primeira parte.

CUSTÓIAS F.C : Rui, Bruno Pacheco, Pedro, Luisão ( João Paulo ), Tonanha ( Carlos ); Tino, Pacheco, Ramalho, Penantes ( Félix ), Cerejo e Márcio
Treinador: Manuel Pinheiro.

ACABA COMO COMEÇOU, O DERBI DE MATOSINHOS. 0-0

DERBI MATOSINHENSE ACABA EMPATADO
Leça do Balio 0 UD Lavrense 0
Local: Complexo Desportivo de Leça do Balio
Jornada 20ª da 1ª divisão da A.F.Porto

Jogo, em que a primeira parte, o equilibriu foi nota dominante, com jogas de desenvolvimento atacante, bem gizadas por ambas as equipas, pertenceu com tudo, uma ligeira supremacia da equipa do Lavrense, no entanto, sem criar grande perigo junto à baliza contrária.
Na segunda parte, mais do mesmo, a equipa de Lavra, com iniciativa do jogo ofensivo, mas esbarrava numa excelente organização defensiva por parte dos balienses. O técnico do Lavrense, Mendes, resolve mexer no seu xadrez, para ter mais acutilância atacante, fazendo entra em campo, três atacantes, Tiago Pulga, Álvaro e Cassamá, sendo que os dois últimos, foram de uma assentada.
Pondo toda a carne no assador, com se diz na gíria futebolística, abrindo completamente a frente de ataque, mas sem resultados práticos, pois o jogo terminou empatado.
Resultado de 0-0, que permeia a organização defensiva por parte da equipa de Leça do Balio, e que penaliza os lavrenses pela ineficácia atacante.


LEÇA DO BALIO: Dinis, Ricardo, Rita, Virgilio e Grilo ( Diogo aos 75 ); Marco Andrade, Joel , Carlitos e Chaves ( César aos 46 ), Vitor Carneiro ( Ismael aos 65 )e Cristiano. Treinador: António Gaiteiro.


U.D.LAVRENSE: Beleza, Ruca, Laranjeira, Paulo Alberto e Nuno Ribeiro; Artur, Postiga ( Tiago Pulga aos 60 )e Machado ( Cassamá aos 70 ); Nuno Santos, Hugo Almeida e Pisco ( Álvaro aos 70 ).Treinador: Sabino Mendes.

INFESTA E SALGUEIROS, RESOLVEM EMPATAR.


Infesta e Salgueiros empataram a um golo Muito publico no Complexo Desportivo de Leça do Balio. Um bom espectáculo de futebol, principalmente na segunda parte.

Ambas as equipas apresentaram-se no sintectico de Leça do Balio com disposição para procurar a vitoria. O Infesta entrou melhor no encontro e logo no primeiro minuto, Paulinho criou perigo com um remate á baliza de Jorginho.Aos 11 minutos, livre perigoso em zona frontal a favor do Infesta onde Vitinha I desperdiça, atirando contra a barreira. O Infesta mandava no jogo mas à semelhança do ultimo encontro, o ultimo passe não saia bem. Aos 26 minutos Paulinho aparece na zona central do ataque e de pé esquerdo, remata para boa defesa do guardião do Salgueiros. Na jogada seguinte, Pedrinho aparece isolado pela direita e já dentro da grande área atira contra Miguel Matos. Á passagem da meia hora, canto a favor do Infesta, Paulinho cruzou para a área, a bola sobra para Braga que volta a centrar onde aparece Rui Jorge que de cabeça, atira para mais uma boa defesa do guarda-redes do Salgueiros. O Salgueiros começou a equilibrar o encontro e o Infesta foi recuando no terreno. A equipa salgueirista dispôs de um livre perigoso no lado direito do seu ataque aos 41 minutos, livre que Berto desperdiçou atirando ao lado da baliza de Miguel. O intervalo chegava e o empate era um resultado justo.


Na segunda parte, o futebol melhorou muito e ambas as equipas mostraram credenciais de um jogo digno de campeonatos nacionais. Aos 55 minutos, contra-ataque do Infesta conduzido por Vitinha II que em superioridade numérica (3 para 2), passou a bola para António que se desmarcava pela esquerda mas este não conseguiu dominar a bola nas melhores condições, perdendo-se uma boa oportunidade para o Infesta. No minuto seguinte, Paulinho aparece pela direita, cruzou para a área, Pereira falha a intercepção surpreendendo Pedro Nuno que não acreditou. Cinco minutos depois o Salgueiros teve uma grande oportunidade para inaugurar o marcador, na mesma jogada, por duas vezes e já dentro da área, mas Miguel Matos opôs-se com classe aos dois remates dos jogadores encarnados. Aos 65 minutos, canto para o Infesta marcado por Paulinho, Nuno Almeida aparece ao primeiro poste onde faz um pequeno desvio criando algum perigo, mas a defesa salgueirista corta para novo canto. Novo canto esse que depois de marcado por Paulinho, houve um alivio da defesa do Salgueiros, a bola sobra à entrada da área para Vitinha que joga de novo para Paulinho e este remata com muito perigo à baliza de Jorginho.O jogo estava vivo e os ataques eram uma constante de ambos os lados. Aos 71 minutos ocorreu o caso do jogo. Num lance que parecia condenado ao insucesso do ataque do Salgueiros, a bola ia para Pedrinho e Miguel que foi à luta, socou a bola e caiu por cima do avançado do Salgueiros. O arbitro assinalou grande penalidade, muito duvidosa e muito contestada pelos adeptos da casa. Miguel fez justiça ao defender a grande penalidade. O jogo estava louco e frenético e o golo podia aparecer a qualquer momento para qualquer um dos lados. Aos 83 minutos, nova grande oportunidade para o Salgueiros com Berto a atirar à barra da baliza de Miguel Matos. Os golos apareceram nos últimos cinco minutos e Vitinha numa bomba do meio da rua, colocou o Infesta em vantagem aos 85 minutos. Um livre directo, colocadissimo e em força. Um grande golo. Na resposta o Salgueiros empatou. Cruzamento da direita de Fábio e Rúben de calcanhar faz um golo sublime. Dois grandes golos a coroar uma grande segunda parte de futebol onde qualquer uma das equipas poderia sair do Complexo de Leça do Balio com os 3 pontos.O arbitro fez uma actuação irregular.

INFESTA: Miguel Matos, António, Tiago Dias, Rui Jorge, Coutinho, Claúdio, Vitinha I, Vitinha II (Armando, 80'), Paulinho (Rui Franco, 76'), Braga (Nuno Almeida, 61') e Pedro Nuno.
TR: José Manuel Ribeiro
Ao intervalo: 0-0
Marcadores:
1-0 por Vitinha aos 85' I;
1-1 por Rúben aos 87'.
http://fc-infesta4.blogspot.com/

LEIXÕES SC EQUIPAS DE SONHO

LEIXÕES SC EQUIPAS DE SONHO

LEÇA FC EQUIPAS QUE FIZERAM HISTÓRIA

LEÇA FC EQUIPAS QUE FIZERAM HISTÓRIA

FC INFESTA GRANDES EQUIPAS

FC INFESTA GRANDES EQUIPAS

PADROENSE FC EQUIPA QUE SUBIU Á II NACIONAL

PADROENSE FC EQUIPA QUE SUBIU Á II NACIONAL

SC SENHORA DA HORA EQUIPAS

SC SENHORA DA HORA EQUIPAS

CUSTÓIAS FC AS SUAS EQUIPAS

CUSTÓIAS FC AS SUAS EQUIPAS

UD LAVRENSE A MELHOR EQUIPA

UD LAVRENSE A MELHOR EQUIPA

FC PERAFITA AS SUAS EQUIPAS

FC PERAFITA AS SUAS EQUIPAS

D LEÇA DO BALIO

D LEÇA DO BALIO

OS LUSITANOS SCFC

OS LUSITANOS SCFC