RÁDIO CIDADE MATOSINHOS

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

PERAFITA DÁ MAIS UMA ESTOCADA NA CONCORRÊNCIA



I DIVISÃO SERIE 1 A F PORTO
Estádio do FC Perafita
Árbitro: Pedro Campos
PERAFITA 2 ERMESINDE 0

PERAFITA: Artur, Marco (Tiago), Trajano, Hélder Maia e Alex; Marco Moreira (Carinhas) Soberano, Tinaia; Paulinho (Zé Miguel), Cheta e Lutchindo. Treinador António Gaiteiro.

ERMESINDE: Rui, César (Fábio), Delfim, Marco e Ivo; Fernando, Leça (Armando), Artur Alexandre, Paulo Martins, Sérgio e Marcos (Miguel).Treinador Vitor Leal



Realizou-se em Perafita o jogo mais importante da décima quarta jornada da série 1 da 1ª Divisão Distrital da A. F. P., opôs o FC Perafita, líder isolado da referida série e o Ermesinde, até então o segundo classificado.
Este encontro teve de tudo para um jogo grande, três boas equipas no relvado, muita assistência, das duas partes, um bom relvado sintético, e como era um jogo grande, até transmissão via internet, no site do FC Perafita aconteceu, teve também relato via a rádio de Ermesinde, foi um grande espectáculo, digno de outros escalões futebolísticos.
A partida começou numa toada de respeito mutuo, mas logo se percebeu que os visitados estavam mais fortes e com o desejo de fazer as coisas da melhor maneira possível para as suas cores. O FC Perafita começou a por em campo o seu futebol apoiado, quando era possível faze-lo, pois do outro lado estava uma equipa também muito bem organizada e com a lição deste jogo muito bem estudada, pois tentou anular as pedras mais influentes do adversário. Contudo o encontro seguia de feição aos locais, pois iam criando perigo em jogadas de futebol apoiado, quer em rápidas transições quando o jogo assim o pedia. O FC Perafita na primeira parte conquistou mais pontapés de canto, rematou mais à baliza adversária e também cometeu mais faltas sobre o adversário, pelo menos foi assim que entendeu o trio de arbitragem que deixou por marcar algumas faltas a favor do FC Perafita, marcando quase tudo o que havia para assinalar contra os locais.

O empate ao intervalo aceitava-se, mas o FC Perafita foi sempre mais equipa que o Ermesinde.



Com o inicio da segunda parte a toada ofensiva dos locais não esmoreceu e continuaram em busca do golo inaugural, o Ermesinde viu-se empurrado para junto da sua área e começava a adivinhar-se o golo do FC Perafita. E assim foi, numa jogada iniciada pela defesa dos locais, a bola é lançada nas costas da defensiva do Ermesinde, onde surge TINAIA, que quando se preparava para encostar para o fundo das redes, foi autenticamente atropelado pelo guarda redes visitante, originando assim uma grande penalidade, convertida com perfeição por parte de PAULINHO, de realçar que a equipa de arbitragem ajuizou este lance de forma pouco ortodoxa, pois todo ele se desenrolou no centro da área do Ermesinde, mas o guarda redes só foi castigado com um cartão amarelo. O jogo que já de si tinha vindo a ser um belo espectáculo, ainda consegui aumentar esse efeito, pois o Ermesinde começou a correr atrás do prejuízo, mas diga-se, nunca importunou a baliza de ARTUR, que durante toda a partida somente teve de fazer um punhado de defesas relativamente fáceis, neste aspecto esperava-se muito mais dos visitantes, contudo, é de salientar que para isso contribuiu certamente, o acerto de toda a equipa, repito de toda a equipa do FC Perafita que foi do principio até ao apito final uma equipa concentradíssima e com as tarefas muito bem delimitadas. Por isso esperava-se muito mais pelo golo do descanso do que do golo da igualdade, i foi precisamente isso que veio a acontecer, o FC Perafita consegui o dito tento à passagem do minuto 72, quando numa jogada rápida, de transição defensiva, a bola é endossada para LUTCHINDO, que progride pela esquerda, flecte para o centro e desmarca PAULINHO vindo da direita, este frente ao guarda redes dos visitantes, faz levantar a bola por cima do corpo do guarda redes do Ermesinde, fazendo assim o golo de bela execução e que levou as hostes do FC Perafita a exultarem pelos seus jogadores de uma forma muito acutilante. O Ermesinde acusou em demasia este golo, se até ai tinha tentado igualar a partida, a partir desse momento nunca mais se encontrou e foi ainda o FC Perafita, que em transições muito rápidas, perdeu a oportunidade de aumentar o marcador, uma vez por LUTCHINDO, com uma boa defesa por parte do guarda redes dos visitantes e uma outra vez por parte de ZÉ MIGUEL, que deslumbrado pela facilidade e fruto da sua pouca experiência, pois ainda tem idade de Júnior, rematou para fora, quando poderia ter endossado o esférico quer para LUTCHINDO, quer para TINAIA.
Resumindo, este encontro foi um belo espectáculo de futebol, o FC Perafita reforçou a sua condição de líder isolado, por sua vez e face aos resultados que surgiram nesta jornada o Ermesinde desceu na tabela classificativa para terceiro.

DECISÃO POLÉMICA DERROTA PADROENSE



II DIVISÃO ZONA CENTRO
Estádio do Padroense FC – Padrão da Légua
Árbitro Rui Fernandes (AF Viana do Castelo)
PADROENSE 1 BOAVISTA 2

Padroense: Marco, Paulinho, Armando, Ricardo e Miguel; Mário Jorge (Nuno Paulo), Seabra (Bruno), Daniel; Bruninho, Marcão e Penantes (Gazela). Treinador Augusto Mata

Boavista: Hugo Magalhães, Paulo Campos (C), Hélio, Filipe Babo, Machado, Joel, Emerson, Kadinha (Vítor Fonseca), Malafaia (Dédé), Pedrinho, e Nélson (Leandro). Treinador Ferreirinha

Um jogo electrizante com muitos erros de arbitragem.


O árbitro Rui Fernandes (AF Viana do Castelo) foi o protagonista (pela negativa) da partida, tendo expulso 4 jogadores (2 de cada equipa), além de ter tomado decisões polémicas quase sempre em prejuízo dos matosinhenses.
O Padroense entrou melhor no jogo, com a equipa axadrezada a sentir dificuldades para parar a investidas dos BRAVOS, mas à passagem do minuto 11` e na primeira oportunidade de golo o Boavista marca pelo capitão Paulo Campos de cabeça dizendo sim a um acanto apontado pelo matosinhense, Kadinha. A equipa do Padroense, tenta responder, mas o jogo agressivo imposto pelos boavisteiros, traduz os seus efeitos, e Emerson tem uma entrada brutal sobre Mário Jorge (lesionado gravemente) e é expulso. A vantagem numérica para os matosinhenses, durou apenas 5`minutos, pois o Sr árbitro entendeu equilibrar a contenda expulsando do jogo, Armando por pertença agressão - Em igualdade numérica o Boavista controlou o jogo até ao intervalo.




Na segunda parte, o Boavista apareceu amorfo e o Padroense entrou novamente mais forte, chegando ao golo no minuto 47` por Penantes, num lance rápido onde a defesa axadrezada foi apanhada desposicionada. A equipa do Padroense com ganas de dar a volta ao resultado, com o golo da igualdade os matosinhenses acreditam que era possível dar a volta, as oportunidades vão surgindo em catadupa, mas o segundo golo não aparece, o Boavista mais retraído, ia sentindo grandes dificuldades para suster as investidas, até que depois de Ferreirinha, mexer no seu xadrez, e já com as equipas reduzidas a nove elementos para cada lado, Daniel e Fonseca, expulsos por acumulação eis que ao cair do pano, o Boavista chega ao golo da vitória, por Hélio, na conversão de uma grande penalidade muito polémica. Penalty marcado pelo árbitro assistente...Depois de fortemente pressionado pelos adeptos axadrezados, o assistente "deslumbra" uma grande penalidade.

CUSTÓIAS CEDE PARA UM ADVERSÁRIO DIRETO

DIVISÃO DE HONRA DA AF PORTO
Estádio do Laranjal – S. Pedro da Cova
Árbitro Roberto Moura
S. Pedro da Cova 2 Custóias 0



S. PEDRO DA COVA: Hugo, Rodrigo, Castro, André e Tiago; Alves (Vitinha), Dani e João Tiago (Martins), Briau, Paulo silva e Magano. Treinador José Veloso

CUSTÓIAS: Meneses, Pessoa, Nuno Ribeiro, Noura (Luizão) e Adérito; Eduardo, Dias e David; Paulo Lopes, Nuno Santos (Caramalho) e Gandarela (Magalhães). Treinador Paulo Silva


CUSTÓIAS POUCO CONSISTENTE, COMEÇA MAL E ACABA PIOR
Como já vem sendo habitual, a equipa do Custóias entra sempre algo adormecida, tardando em assentar o seu jogo, fruto de alguma intranquilidade existente, tirando partido disso, a equipa da S. Pedro da Cova, consegue um ascendente sobre o adversário durante os primeiros 20`minutos, altura que Gandarela remata de fora de área e vê a bola a embater na trave da baliza de Hugo, guarda-redes anfitrião. Este lance parece acordar a equipa custóiense e volvidos 5`minutos, é a vez de David, atirar de longe com a bola a passar perto do poste, no minuto seguinte (26) Eduardo teve perto de abrir o marcador, desta feita de livre direto. A equipa de Matosinhos, não só equilibra a contenda, como tem um ligeiro ascendente, mas à passagem do minuto 36`, quando o Custóias reduzida a dez elementos (Gandarela fora das quatros linhas a ser assistido), contra a corrente do jogo, em lance de contra-ataque, a equipa da casa abre o activo por Paulo Silva, lance em que a defensiva do Custóias (guarda-redes incluído) é muito lenta na abordagem ao avançado Alves que oferece de bandeja o golo a Paulo Silva, que se limitou a encostar.



BOA REAÇÃO CUSTÓIENSE
A etapa complementar, começa com a equipa custóiense a chamar a si a iniciativa atacante, excelente atitude e organização de jogo que lhe valeu estar muito perto de empatar a partida, período que durou cerca de 20`minutos. À passagem do minuto 70`, mister Paulo Silva, resolve mexer no xadrez da sua equipa, tirando do jogo Gandarela (Lesionado?) e Nuno Santos (referencia atacante) para os seus lugares entraram Magalhães e Caramalho, a partir deste momento o futebol atacante do Custóias perdeu fulgor e a equipa da casa começa a equilibrar o jogo, ameaçando o segundo golo, através de lançamentos longos, nas costas da defensiva custóiense, golo que viria a acontecer à passagem do minuto 85`, outra vez por Paulo Silva, que isolado na cara de Meneses, não desperdiçou (off-side? A duvida persiste). Até ao fim tempo ainda para mais oportunidades para os da casa (apanhando em contra pé a defensiva custóiense) e de David, só com o guarda-redes pela frente, desperdiçou aquele que seria o tento de honra da equipa forasteira.
Arbitragem regular, ficando a duvida no lance do segundo golo do S. Pedro da cova.

LITOS - "A NOSSA GUERRA CONTINUA NA PRÓXIMA SEMANA "


O treinador do Leixões considera que o segundo golo da Académica foi a chave de todo o jogo. Litos defende mesmo que a sua equipa foi castigada em demasia, depois de ter sido superior ao longo de quase todo o jogo.

«Quero realçar tudo de bom que a minha equipa fez. Fomos castigados em demasia. A minha equipa criou várias situações de golo. Sofremos o primeiro golo contra a corrente do jogo, resistimos e demos a volta. Tivemos atitude, jogámos bem e passámos para a frente no marcador. O Pedro Emanuel arriscou, não fomos rápidos a reagir no banco e sofremos o 2-2. Foi mais um rude golpe.»

«Tivemos vários infortúnios e o prolongamento foi um reflexo disso. Tivemos um grande destaque emocional ao longo da semana e não conseguimos combater a superioridade da Académica nessa fase. Dou os parabéns às três equipas presentes. Creio que foi um bom jogo.»

A que se refere quando fala em desgaste emocional?

«Tivemos o jantar de aniversário do clube a meio da semana, os nossos adeptos queriam chegar a uma nova final e esquecem-se que temos limitações. Isso cria uma pressão-extra, um grande desgaste emocional. A nossa guerra continua na próxima semana e já estou a pensar nisso.»

MAIS FUTEBOL

LEIXÕES SC EQUIPAS DE SONHO

LEIXÕES SC EQUIPAS DE SONHO

LEÇA FC EQUIPAS QUE FIZERAM HISTÓRIA

LEÇA FC EQUIPAS QUE FIZERAM HISTÓRIA

FC INFESTA GRANDES EQUIPAS

FC INFESTA GRANDES EQUIPAS

PADROENSE FC EQUIPA QUE SUBIU Á II NACIONAL

PADROENSE FC EQUIPA QUE SUBIU Á II NACIONAL

SC SENHORA DA HORA EQUIPAS

SC SENHORA DA HORA EQUIPAS

CUSTÓIAS FC AS SUAS EQUIPAS

CUSTÓIAS FC AS SUAS EQUIPAS

UD LAVRENSE A MELHOR EQUIPA

UD LAVRENSE A MELHOR EQUIPA

FC PERAFITA AS SUAS EQUIPAS

FC PERAFITA AS SUAS EQUIPAS

D LEÇA DO BALIO

D LEÇA DO BALIO

OS LUSITANOS SCFC

OS LUSITANOS SCFC