RÁDIO CIDADE MATOSINHOS

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

ANTEVISÃO DO CD TONDELA vs PADROENSE FC (repetir época passada)



Tondela vs Padroense
II Divisão Zona Centro 2011/12 Jornada 4
Domingo 2 Outubro 2011 - 15h00
Estádio João Cardoso Nº2 – Tondela

CD Tondela

Começa a ser um hábito, um bom hábito, o Tondela vencer na 2.ª divisão Nacional de futebol. A equipa de Vitor Paneira, tem sido das mais fortes e regulares, de parceria com a equipa de São João de Ver que venceu os matosinhenses no último jogo. O CD Tondela, tem um projecto que começa a ser olhado como exemplo de construção de uma equipa ganhadora. Vítor Paneira é o treinador do Clube Desportivo de Tondela para a esta temporada. O treinador chegou a acordo com a Direcção do clube. Depois de orientar a equipa do Gondomar, surge mais um desafio, a missão de conduzir este clube até á liga Orangina. Entretanto, no Tondela, três jogadores recrutados: Alain (ex Louletano) e Vítor Pereira (ex D. Chaves), dois jogadores que jogam no eixo da defesa, juntam-se a Paulo Ferreira, o ponta de lança que chegou a Tondela emprestado pelo Arouca. Paulo Ferreira tem 23 anos, 1,80m, e na temporada passada apontou 9 golos. O atleta tem ainda 2 golos com a camisola de Portugal onde foi internacional nos escalões jovens por 9 vezes.

PADROENSE FC

Padroense FC, está a ter um arranque de temporada, menos positivo, no entanto, tem um plantel com a qualidade necessária, para dar a volta aos resultados menos conseguidos. Apesar do inicio menos bom, ainda só estamos na 3ª jornada, e a próxima pode muito bem ser o clique tão desejado pelos responsáveis do Padroense para que os resultados sejam mais condizentes com o valor dos seus jogadores; Pedro Seabra (ex Leixões SC), Sérgio Carvalho (ex D. Aves), Carlitos Seidi, que estava actuar em Espanha, são os mais sonantes, a equipa manteve praticamente a base do sucesso da época passada, Marco, Daniel, Paulinho, Armando, Vítor Lobo, Mariano, Marcão e Bruninho, vestem com as cores dos Bravos de Matosinhos, Augusto Mata é o treinador. Apesar das dificuldades inerentes e acrescidas ao estatuto que a equipa conseguiu nesta divisão, estão reunidas todas as condições para que o sucesso volte ao Padrão da Légua.

Retrospectiva do resultado anterior
Tondela 0-1 Padroense - II Série Centro 10/11, em Domingo 20 Março 2011, na segunda volta do campeonato, com o golo da vitória da equipa de Matosinhos a ser marcado por Jorge Rodrigues na p-b aos 50 minutos, resultado que embalaria em definitivo os Bravos de Matosinhos para uma época simplesmente notável.

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

JOGOS DO FIM DE SEMANA DAS EQUIPAS DE MATOSINHOS



Jogos de fim de semana das equipas de Matosinhos
Liga Orangina 2011/2012 | Jornada 6
Portimonense vs Leixões
Domingo 2 Outubro 2011 - 16h00

II Divisão Zona Centro 2011/12 | Jornada 4
Tondela vs Padroense
Domingo 2 Outubro 2011 - 15h00

III Divisão Série B 2011/2012 | Jornada 4
Vila Meã vs Leça
Rebordosa vs Infesta
Domingo 2 Outubro 2011 - 15h00

AF Porto Divisão Honra 2011/12 | Jornada 4
Oliv. Douro vs Custóias FC
AF Porto 1ª Divisão Série 1 2011/12 | Jornada 3
Perafita vs Caíde Rei
Folgosa da Maia vs Lavrense
AF Porto 1ª Divisão Série 2 2011/12 | Jornada 3
Leça do Balio vs CA Rio Tinto
Senhora da Hora vs Gulpilhares
AF Porto 2ª Divisão Série 1 2011/12 | Jornada 3
Aldeia Nova vs Inter Milheirós
CCD Sobrosa vs Os Lusitanos
Domingo 2 Outubro 2011 - 15h00

ACADEMIA DE FUTEBOL DO PADROENSE FC


Seguindo a sua máxima “Sempre em Crescimento”, a Academia de Futebol do Padroense F.C., lança-se em mais um desafio que irá contribuir para o desenvolvimento dos nossos Atletas.

Será já na presente época desportiva (2011/2012) que a Academia de Futebol do Padroense F.C. passará a ter 3 escalões inseridos em competições oficiais de Futebol de 7, sob alçada da Associação de Futebol do Porto.

De modo a apresentar este novo projecto, destinado aos escalões de Sub-10 (Escolas A e B), Sub-11 (Infantis), o Padroense F.C. convida todos os Pais, Encarregados de Educação e outros familiares dos Atletas inseridos nestes escalões, a estarem presentes nas Sessões de apresentação que decorrerão, no Auditório do Estádio do Padroense F.C., no:

PRÓXIMO SABADO DIA 1 DE OUTUBRO

Às 10:30 (Sessão destinada aos Encarregados de Educação dos Atletas com treino às 10H)
Às 12H (Sessão destinada aos Encarregados de Educação dos Atletas com treino às 11H30).

FÁBIO LOUREIRO É REFORÇO DO NOGUEIRENSE

FÁBIO LOUREIRO (atleta matosinhense) VAI REFORÇAR O NOGUEIRENSE DA DIVISÃO DE HONRA DA AF PORTO.

Fábio João Gomes Martins Loureiro, natural de Matosinhos, nascido a 1991-10-14 (19 anos) Jogador formado nos escalões de formação do Pedrouços( 2 épocas), as restantes no Leixões SC, até 2009/10, como (Jun.A S19), onde chegou a internacional (sub 18) com a camisola das Quinas vestida. Como sénior Fábio Loureiro já representou em 2010/11 Portosantense , III divisão nacional Serie da Madeira e uma pequena passagem pelo Esmoriz.
Fábio Loureiro, é um avançado destro, muito forte no um para um, quando lançado em profundidade, pois é detentor de muita velocidade.
Manuel Pinheiro, técnico do Nogueirense, conhece muito bem, o agora seu jogador, pois acompanhou de perto a sua evolução.

terça-feira, 27 de setembro de 2011

JORGE NEVES (treinador ad. Lusitanos FCSC) OUTRO OLHAR SOBRE O JOGO


O derbi matosinhense da 2ª divisão AF Porto terminou empatado a uma bola, como tantos outros jogos, as opiniões divergem.
Aqui fica um outro olhar sobre o derbi disputado em Santa Cruz do Bispo

No seu primeiro jogo em casa nova, os Lusitanos cedem os seus primeiros pontos, empatando no confronto com o Aldeia Nova. Este jogo entre duas equipas do concelho de Matosinhos ficou em termos exibicionais, algo aquém das expectativas, pois a equipa da casa já deu mostras que sabe fazer bem mais e melhor, mas este jogo não foi com certeza um exemplo disso. Uma primeira parte pautada pelo jogo repartido a meio campo, sem que as equipas conseguissem criar lances de real perigo, tanto de um lado como do outro. De salientar o conjunto da casa que sempre procurou por em prática um futebol mais organizado, que com mais ou menos dificuldade o Aldeia Nova conseguiu sempre anular, e adiar o que parecia que seria o mais provável, na partida, o aparecimento do primeiro golo do Lusitanos, até que ao minuto 40, num lance de puro contra ataque, após perda de bola em ataque organizado da equipa da casa, o Aldeia Nova consegue aparecer em superioridade numérica junto da baliza contrária e faz o primeiro golo na partida, chegando com este resultado ao intervalo.

Na segunda parte assistiu-se a um pobre desempenho da equipa de arbitragem que permitiu vezes sem conta o anti-jogo do Aldeia Nova, com paragens infindáveis do jogo, para assistências médicas aos jogadores do Aldeia Nova, nomeadamente do seu Guarda-Redes Vilaça, que recebeu assistência prolongada pelo menos por 3 vezes sem razão aparente, e as vezes sem conta que seus restantes jogadores iam sucessivamente caindo para o relvado do Aldeia Nova. Numa partida que a equipa da casa sofreu 24 faltas, o segundo amarelo e consequente vermelho surgiu para o Aldeia Nova apenas ao minuto 68, na expulsão de Ivo, após aparente discussão com o fiscal de linha. A partir daqui o jogo se já tinha apenas o sentido da baliza do Aldeia Nova, mais pronunciado ficou, mas era difícil, pois era recorrente o uso da falta para travar os jogadores da casa que tiveram sempre a permissividade da Arbitra Sandra Santos, que nunca conseguiu tomar o pulso do jogo. O golo do empate marcado por Xuxa, acaba apenas por surgir já em períodos de desconto após cobrança de livre directo descaído na direita, em que o guarda-redes Vilaça não fica isento de culpas. O final da partida chegou com o empate a 1 bola a prevalecer, que representa o primeiro ponto conquistado pelo Aldeia Nova no segundo jogo disputado nos distritais de Futebol e os primeiros pontos cedidos pela equipa da casa.

Jorge Neves treinador adjunto dos Lusitanos FCSC.

PEDRO SEBRA (Padroense FC) EM ENTREVISTA


Pedro Seabra DISCURSO DIRETO

Seabra teve um papel de destaque no Leixões, quando esta ainda se encontrava na primeira Liga, assim como na segunda Liga na época passada, tendo porém sido afastado dos relvados a meio da época passada, em virtude de uma lesão que entretanto já foi totalmente ultrapassada. Nada mais nada menos que um dos capitães da formação vizinha do Leixões, Pedro Seabra, um atleta que actuou no passado recente no Padroense, mais concretamente nas épocas 2007/2008 e 2008/2009, tendo sido um dos principais, protagonistas na subida do Padroense à segunda divisão Nacional.

MITCHFOOT - O TEU PERCURSO COMO JOGADOR?
PEDRO SEABRA - Comecei nas escolinhas do Boavista e rapidamente vim para o leixões. Joguei 10 anos nas escolas de formação do Leixões até que chegou o momento de subir a sénior e fui dispensado tal como a maior parte dos meus colegas. A tristeza foi imensa porque era sonho de criança e nesse ano desisti do futebol e dediquei-me aos estudos. Nas duas épocas seguintes joguei no Padroense até que voltei ao Leixões onde estive 2 anos sendo que neste momento voltei ao Padroense por empréstimo

M - QUERES DESTACAR ALGUEM QUE TENHA SIDO IMPORTANTE NA TUA CARREIRA?
PS - Apesar de não ter uma ligação directa no futebol a minha família são as pessoas mais importantes não só na minha carreira mas também na minha vida. No mundo do futebol tenho de destacar a importância de todos os técnicos e dirigentes que sempre me apoiaram com uma principal referência para o meu treinador dos juniores, Joaquim Santos, para o mister Mata que já por 2 vezes que aposta no meu valor e me ajuda quando mais preciso e para o mister Mota que fez com que realizasse o sonho de jogar na 1ªliga ao serviço do Leixões e me incutiu uma mentalidade muito forte.

M - COMO JOGADOR, COMO TE QUALIFICAS?
PS - Profissional. Quando ao resto prefiro que sejam os outros a falar.

M – ENTANTOS JOGOS JÁ VIVIDOS, TENS ALGUM QUE QUEIRAS DESTACAR?
PS - A minha estreia pelo Leixões contra o braga na 1ªliga onde arrepiei-me de uma forma que não achava ser possível e o jogo da subida pelo Padroense à 2ªb contra o coimbrões onde fui capaz de ajudar um clube que tão bem me tratou e o sentimento foi óptimo.

M – O PORQUÊ DA TUA SAÍDA DO LEIXÕES, SENDO UM DOS CAPITÃES DA TURMA DO MAR?
PS - Eu estive parado praticamente um ano e a falta de ritmo na pré-época foi notória. Não critico ninguém pela minha saída. Só posso dizer que a decisão de sair foi minha e a direcção respeitou essa decisão e ajudou-me a encontrar uma solução. Saí do Leixões sentindo que a porta está aberta e com excelentes relações com todas as pessoas.

M – DE REGRESSO A UMA CASA QUE BEM CONHECES, QUAIS OS OBJECTIVOS PARA ESTA ÉPOCA?
PS - O objectivo é ganhar novamente toda a forma que perdi no ano anterior e ajudar a equipa que me ajudou e muito no passado a concretizar os objectivos.

M - UMA MENSAGEM AOS ADEPTOS DO PADROENSE, UMA PALAVRA A TODOS OS LEIXONENSES?
PS - Aos adeptos do Padroense dizer-lhes que estou no clube onde me sinto bem neste momento e que vou fazer o que tiver ao meu alcance para ajudar o Padroense a crescer. Aos do Leixões que naturalmente foi com muita tristeza que deixei o clube mas agradecer por todo o carinho que sempre me deram em todos os momentos. Sempre me senti dos mais acarinhados pela massa associativa.

D LEÇA DO BALIO VENCE E CONVENCE!


I Divisão AF Porto Serie 2 – 2ª jornada
Campo do Sobrado – Valongo
Árbitro: Paulo Sousa Pinto
Ao intervalo 1-0 marcadores, João Miguel (11), Vitor Carneiro (58), Ismael (52 e 71)

D. LEÇA DO BALIO : Dinis, Carlitos ,Rita, Virgílio, Ruben; Káka (Pedro), Pimentel , Estrela (Ruca),Barros; Ismael e Vitor Carneiro (Areias). Treinador, António Freitas

O Desportivo entro um pouco adormecido no jogo, num pelado grande mas sem condições para a prática do futebol bem jogado. Com um ascendente mais atacante da equipa da casa nos primeiros minutos da partida, o Sobrado, chega ao golo aos 11 minutos, num lance pouco esclarecedor, Rita corta a bola dentro da área com o peito e o Sr. árbitro decide marcar grande penalidade, mesmo com o auxiliar a dar indicação contrária. Estava feito o 1-0 para a equipa da casa. Foi então que acordou a equipa do Leça do Balio, golo sofrido serviu como alerta para os forasteiros, onde encostou a partir desse momento a equipa do Sobrado as cordas e nunca mais incomodou o guarda redes Dinis. Chegava o intervalo com um resultado de 1-0 para os da casa, que diga-se bastante injusto para o desenrolar da partida.

Com uma entrada muito forte na segunda parte, a equipa do Leça do Balio, viu-se premiada com um golo logo aos 52 minutos, Ismael a emendar um pontapé de canto cobrado por Estrela, estava feito o empate. Mas o Leça queria mais e estava melhor no jogo por isso não foi surpresa que aos 58m, Vitor Carneiro colocava o Leça do Balio em vantagem após defesa do guardião da casa e na recarga encostou para o 1-2 merecido. Assistiu-se a partir dai, várias perdidas da equipa visitante onde não teve a frieza para dilatar o resultado. Controlava o jogo e aos 71 minutos o INCONFORMADO Ismael voltaria a fazer o gosto ao pé restabelecendo o resultado final em 1-3 para o Desportivo Leça do Balio. Boa exibição que peca põe escasso devido ao numero de ocasiões que não foram concretizadas.

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

DERBI MATOSINHENSE TERMINA EMPATADO


Campeonato Distrital 2.ª Divisão Série 01 – 1.ª fase – 2.ª Jornada.
Jogo: Lusitanos F. C. Sta. Cruz vs G. D. Aldeia Nova
Campo: Lusitanos F. C. Sta. Cruz – Sta. Cruz do Bispo.
Árbitro: Sandra Santos.
Resultado ao intervalo: 0 – 1
Golos: 0–1 Morais aos 40’ e 1–1 Xuxa aos 90+2’.

Lusitanos F. C. Santa Cruz: Tiago, Sérgio Coelho, Guerra, Teixeira e Xuxa; Carlos Manuel, Meneses, Miguel; Ricardo Silva, Ricardo Lopes e Paulo Substituições: Paulo por Costinha ao intervalo, Meneses por Tó aos 68, Sérgio Coelho por Nuno Silva aos 75’ . Treinador: Marco Aleixo

G. D. Aldeia Nova:Vilaça, Igor, Manu, Ivo, Barros, Mesquita, Diogo, Gouveia, Daniel, Pinto e Natal.Substituições: Morais por Daniel aos 34’, Tomás por Igor aos 72’,Pedro por Mesquita aos 87’.Treinador: Eduardo Silva.

O bastante público que se deslocou esta tarde a Santa Cruz do Bispo para assistir ao jogo entre o Lusitanos e o Aldeia Nova não deu o tempo por mal empregue. O jogo foi emotivo de princípio ao fim, com ambas as equipas a procurarem a vitória.
O Lusitanos, a jogar em casa, começa como lhe competia, ou seja, a ter mais atitude e a crer mandar no jogo. No entanto, é o Aldeia quem tem a primeira boa ocasião de golo, quando aos 10’, Natal, em rápido contra-ataque e descaído pelo lado direito, cruza para a área onde os seus colegas avançados não aparecem para fazer golo. Quatro minutos depois, é vez de Gouveia o imitar, rematando cruzado do lado direito, com a bola a passar a escassos centímetros do poste direito da baliza à guarda de Monteiro. O Lusitanos na resposta, e na sequência de alguma confusão dentro da área do Aldeia, Ricardo Lopes remata forte. Contudo, o remate apanha pela frente um colega seu e depois a defesa do Aldeia Nova desvia a bola pela linha de fundo. Aos 40’, rápido contra-ataque do Aldeia em que Gouveia serve de bandeija Morais que à saída do redes, remata cruzado inaugurando o marcador. Pouco depois chega o intervalo indo o Aldeia Nova para os balneários a ganhar por uma bola a zero.

A segunda parte começa de novo com o Lusitanos a crer mandar no jogo. No entanto, só chega à baliza de Vilaça através de alguns cruzamentos para a área onde este, com maior ou menor dificuldade, ia evitando o empate. Aos 65’, o Aldeia fica reduzido a dez jogadores por expulsão de Ivo, após este ter discutido com o Árbitro assistente. Minuto 68, para muitos o momento do jogo, a substituição de Igor por lesão. Se de facto já estava a ser difícil para o Aldeia Nova jogar com dez, mais difícil se tornou com a saída do seu Central. O Lusitanos a ver estas contrariedades dos visitantes, acentua mais pressão e, aos 90+2’, Santos, na cobrança de livre e ao ver o redes um pouco adiantado, remata colocado, com a bola a passar por cima de Vilaça, ficando este mal na fotografia, fazendo o empate. O jogo chega ao seu final com as equipas empatadas a uma bola.

Fonte: José Cunha. http://www.gdaldeianova.blogspot.com/

À TERCEIRA FOI DE VEZ, INFESTA VENCE!


FC INFESTA VENCE O VILA RELA PELA DIFERENÇA MINIMA

José Manuel Ribeiro partiu para este jogo com três ausências muito importantes no onze inicial. Rui Jorge cumpria o ultimo jogo de castigo, enquanto que Paulinho e Miguel, expulsos no ultimo jogo em Grijó, também cumpriam castigo. Por isso, o treinador do Infesta teve de escalonar um onze diferente para suprir as ausências destes três atletas e deu-se bem, com a inclusão de Victor Pádua, Tiago Dias e Carvalho.

TIAGO DIAS SOUBE APROVEITAR O ERRO DEFENSIVO

O jogo iniciou em ritmo alto e a equipa do Vila Real, foi a mais perigosa nos primeiros 25 minutos da partida. Apesar disso, o primeiro sinal de perigo foi do Infesta. Num lance ganho de Carvalho a Abreu, à entrada da área, a bola sobrou para Pedro Nuno que joga de cabeça e o mesmo Abreu, joga a bola com a mão à entrada da área. No livre, Vitinha I atira contra a barreira, a bola sobra para Pedro Pereira que de primeira, atira ao lado da baliza de Cabreca. A partir dai, o Vila Real criou várias oportunidades de golo. Aos 7 minutos, num livre perigoso à entrada da área, Schuster atira para grande defesa de Victor Pádua. Aos 18', contra-ataque rápido do Vila Real, Schuster joga na esquerda para Bessa, este ganha espaço e atira para outra grande intervenção de Pádua, que esteve muito seguro em todo o encontro. Aos 26 minutos, livre muito perigoso descaído para a direita a favor do Vila Real, mas Peixoto atira contra a barreira. O Infesta só aos 28' é que voltou a criar perigo. Vitinha II em jogada individual, passa por dois adversários e atira em jeito para defesa com os punhos de Cabreca. Dois minutos depois, livre da direita do ataque do Infesta, Pedro Pereira cruza para a área e Jonas, na pequena área atira de cabeça, mas Cabreca faz uma grande intervenção. O Infesta tomou conta do jogo e aos 36 minutos, chegou à vantagem. Canto batido da esquerda por Vitinha I, a bola é aliviada ao primeiro poste, sobra para Schuster que à entrada da área atira contra Vitinha II, este passa para a direita onde aparece Tiago Dias que com todo o tempo do mundo, atira em jeito para a baliza, inaugurando o marcador. O Infesta ainda teve a oportunidade de aumentar o marcador na primeira parte quando aos 43 minutos, Vitinha I de livre, cruza para a área onde Jonas de cabeça atira à barra.

ESTREIA POSITIVA DO GUARDA-REDES VITOR PÁDUA

A segunda metade do encontro foi bastante disputada e com o Vila Real à procura do empate. Aos 61 minutos, Vitinha II em jogada individual pela direita, passa pelo adversário, cruza rasteiro para Pedro Nuno que de primeira, atira rasteiro e colocado ao segundo poste mas Cabreca consegue defender. Vitinha II teve duas oportunidades para marcar. Primeiro atira em jeito ao lado da baliza e pouco depois, tentou fazer o chapéu a Cabreca, mas a bola saiu por cima. Aos 85 minutos, o Vila Real dispôs da melhor oportunidade para empatar quando num cruzamento da direita, Mico de cabeça atira fraco à figura de Pádua. Na jogada seguinte, no contra-ataque do Infesta, Pedro Nuno isola-se e atira rasteiro para o 2º poste, mas Cabreca volta a defender. Já em período de descontos, livre para o Infesta, Vitinha I joga curto para Oliveira, este cruza para a área onde Jonas de cabeça, atira por cima. Nos últimos 10 minutos, o Vila Real teve duas expulsões de dois atletas por acumulação de cartões amarelos, Fred aos 82 e Castanha aos 93 minutos.

O Infesta vence o Vila Real por 1-0 e passa a somar 4 pontos subindo ao 5º lugar da tabela, tendo a companhia de Vila Meã, Lamego e Cesarense. No próximo domingo, o Infesta desloca-se ao Complexo Desportivo de Azevido em Rebordosa, num jogo marcado para as 15h00.

SITE OFICIAL FC Infesta

LEIXÕES VENCE E DIVIDE LIDERANÇA


LIGA ORANGINA
Jogo no Estádio do Mar, em Matosinhos
Árbitro: André Gralha (Santarém)
Marcadores: 1-0, Jumisse, 4 minutos

Leixões: Waldson, Tiago Costa, Nuno Silva, Joel, Florent, Paulo Tavares, Capela, Jumisse (Luís Silva, 52’), Feliciano (Wesllem, 71’), Fausto (Moisés, 82’) e Pedro Santos

Sp. Covilhã: Nuno Santos, Dani Coelho, Gegé, Ricardo Rocha, Joel, Gabi, Idris (Amian, 79’), Milton (Wang Gang, 46’), Zezinho (André Sousa, 69’), Pedro Ribeira e Fofana

Assistência: cerca de 2.000 espectadores.

O Leixões venceu este domingo o Sp. Covilhã, por 1-0, em jogo da quinta jornada da Liga Orangina, e alcançou a liderança, contabilizando os mesmo 10 pontos do Atlético.
A história da partida foi simples, com o Leixões a dominar por completo, falhando apenas na concretização, o que explica o resultado curto para a equipa de Matosinhos.
A turma do entra em jogo de pé no acelerador e antes de Jumisse inaugurar o marcador, com uma emenda oportuna na área, já Fausto tinha acertado no poste da baliza do Covilhã. Os serranos partiram depois em busca de um golo que relançasse o jogo, mas a equipa Leixonense, soube defender com acerto e até podía ter sentenciado o encontro, em jogadas de contra-ataque. Feliciano e Wesllem, falharam oportunidades claras só com o guarda-redes pela frente e permitiram ao adversário continuar a acalentar esperanças de evitar o desaire e ir pregando alguns sustos junto à baliza defendida por Waldson. O triunfo Leixonense, é inteiramente justo e quando o árbitro deu por concluído o encontro, era visível um sorriso de satisfação nas caras das gentes do Mar.

A equipa do Leixões SC, tem na próxima jornada uma difícil e desgastante deslocação ao Algarve, para defrontar o Portimonense. Um jogo importante antes de uma paragem de três semanas da Liga Orangina para dar lugar aos jogos das selecções e à terceira eliminatória da Taça de Portugal.

DECLARAÇÕES

José Nuno Azevedo (treinador -adjunto)
"Esta foi mais uma vitória do querer e da determinação, é esta imagem que queremos continuar a mostrar ao longo do campeonato. Era importante ganhar. É esse o nosso objectivo em casa jogo que participamos. Entrámos bem na partida, embora não tivéssemos tido o desempenho que desejávamos pois o nosso relvado não está em grandes condições e nós queremos jogar bem, jogar bom futebol. Conseguimos concretizar e depois fomos eficazes em termos defensivos. Estamos nos lugares cimeiros mas ainda faltam muitos jogos e este campeonato altera-se todas as semanas. Temos de continuar humildes, crentes e com a atitude que temos incutido na equipa, entrando em qualquer jogo com o objectivo de alcançar os três pontos."

Manuel Tulipa treinador do SP Covilhã
"Precisávamos de ter entrado mais fortes. Nos primeiros quinze minutos tivemos muitas dificuldades. Estou contente pelo desempenho dos meus atletas, mas não posso estar satisfeito com a derrota. Foi imerecida. Apostámos tudo para tentar inverter o resultado."

FOTOS: Carlos Ferreira

PADROENSE PERDE EM CASA


II Divisão Zona Centro
Estádio do Padroense FC- Matosinhos
Árbitro: João Laranjeira (AF Coimbra)
Ao intervalo: 0-2, marcadores, Amílcar, aos 02, Batista aos 27 e Penantes aos 58.

PADROENSE: Marco, Tonel, Armando, Sérgio Carvalho (Carlitos Seidi) e Miguel; Daniel, Mariano, Mário Costa (Penantes); Nuno Paulo (Biscoito), Marcão e Bruninho. Treinador Augusto Mata.

S JOÃO DE VER: Nuno, Márcio, Xavier, Cancela, Bino e Batista; Rúben Gomes (Leonardo), Machadinho, Fredi, Américo (Zé Tó), Amílcar (Rui Silva). Treinador Francisco Batista.

O campeonato parece não estar a correr de feição para os Bravos de Matosinhos, em nove pontos possíveis para conquistar, a equipa de Matosinhos, só conseguiu amealhar dois. Sendo que em três jornadas disputas a equipa do Padrão da légua já realizou dois jogos em casa.

Na primeira parte, assistiu-se a um jogo equilibrado, pautado pela mediocridade exibicional de ambas as equipas. Num jogo nem sempre bem jogado, a equipa forasteira (líder da competição, com pleno de pontos conquistados), aproveitou bem, dois erros defensivos da equipa do Padroense, e com eficácia, em sete minutos, pôs o placard em dois a zero a seu favo. Melhor resultado não podia esperar, a equipa visitante, que foi para as cabines a vencer por 0-2.

Na etapa complementar, já com Penantes no lugar de Mário Costa que ficou nas cabines, a equipa do Padroense, tomou conta do jogo e já se viu alguma da muita qualidade técnica e táctica que este plantel tem. Penantes reduziu para 1-2 iam decorridos 58 minutos de jogo. O Padroense, com algumas alterações feitas no seu xadrez, a medida que o jogo ia avançando, criou muitas oportunidades para chegar à igualdade, mas não foi bafejado pela sorte, que é necessária nos momentos mais precisos e que protegem os campeões. O Resultado até ao fim, não se alterou, levando os três pontos para casa, a equipa de São João de Ver, que líder da competição.

FOTOS: Domingos Lobo.

MERECIA MUITO MAIS A EQUIPA LAVRENSE


I DIVISÃO SERIE 1 AF PORTO
Complexo Desportivo da UD lavrense
Árbitro: José Costa Moreira

UD Lavrense 1 Alfenense 1
Ao intervalo, 1-1, golo do Lavrense, marcado por Heldinho aos 40m

UD LAVRENSE: Miguel Mota, Dani, Cuca, Filipe Sousa e Grilo; Wilson, João Pedro e Freitas; Tiago Pulga, Heldinho e Pedrinho. Treinador, Hugo Reis

A equipa Lavrense que vinha de um empate fora, queria brindar os seus adeptos com vitória no 1º jogo em casa. Cedo se percebeu que a equipa de Lavra, era manifestamente superior ao seu adversário. Jogando permanentemente no meio campo defensivo do Alfenense, a equipa Lavrense criou várias oportunidades para desfeitear a baliza adversária, mas sorte não quis nada com os lavrenses. Aos 15 minutos numa das poucas investidas atacantes, a equipa de Alfena (Ermesinde), chegou ao golo. A equipa Lavrense incrédula com o que se estava a passar, parte em busca do golo, que viria a surgir aos 40 minutos, por Heldinho na sequencia de um pontapé de canto.

A segunda parte, mais do mesmo, só Lavrense procurou a vitória, que diga-se era inteiramente justa, mas contou pela frente um adversário, que usou do anti-jogo sistemático para levar um ponto de Lavra. De referir também que a equipa de arbitragem foi bastante permissiva no desenvolvimento desta “táctica” posta em campo pelo Alfenense, realizando uma péssima prestação na condução do jogo em claro prejuízo Lavrense.

domingo, 25 de setembro de 2011

CUSTOIENSES REDUZIDOS A DEZ, CONSENTEM EMPATE JÁ NOS DESCONTOS


DIVISÃO DE HONRA DA AF PORTO
Estádio do Custóias FC
Árbitro: Miguel Machado

Custóias FC 2 FC Pedras Rubras 2

Ao intervalo, 1-1, marcadores, Domingos aos 13m, Eduardo aos 34 e 76, Tó aos 90+1.

CUSTOIAS: Meneses, Pessoa, Noura, Nuno Ribeiro e Adérito; Eduardo, Magalhães e Joel; Nuno Santos (Paulo Lopes), Gandarela (João Dias) e Danny (Mário Rui). Treinador Paulo Silva

PEDRAS RUBRAS: Humberto, Márito (Santa Cruz), André, Alex, Oliveira, Carlitos II, Ricardinho (Carlitos I)Tó, Abilio, Fernando e Domingos (Diogo). Treinador Mozer.

GRANDE JOGO PROTAGONIZADO POR AMBAS AS EQUIPAS

Quem se deslocou ao Estádio do Custóias, para assistir a esta partida, não deu como perdido o seu tempo, pois assistiu a um excelente jogo, coroado com quatro golos, dois para cada lado.
Inicio bastante prometedor por ambas as equipas, o que viria a confirmar-se durante o desenrolar do jogo. Futebol jogado com muita intensidade, com jogadas de perigo nas duas áreas, seria o FC Pedras Rubras a abrir o marcador, quando numa jogada de insistência, a bola sobra para Domingos, que de trivela de fora da área, bate Meneses que nada podia fazer, a bola descreveu um arco e foi anichar-se junto aos poste direito do guarda-redes da casa. O jogo baixa de intensidade, com o equilibriu a ser a nota dominante, até que aos 28 minutos, Alex, não contando com tamanha oferta da defensiva custóiense, desperdiça excelente oportunidade de ampliar a vantagem. O canto do cisne para o Pedras Rubras, pois a partir deste momento, só deu Custóias. Danny aos 30 minutos chega atrasado e permite a defesa de Humberto que saiu muito bem a pontapé. Aos 34 minutos, livre descaído pelo lado esquerdo, à entrada da área, Eduardo chamado a converter, atira forte e colocado, batendo Humberto que nada podia fazer, restabelecendo a igualdade. Aos 40 minutos, Gandarela remata forte e em volei, a bola passa rente a trave da baliza forasteira, cinco minutos volvidos, Nuno Santos, de cabeça, quase marca, encontrando um defensor pela frente, já com o guarda-redes batido. Ao intervalo o 1-1 era o resultado justo.

INFERIORIDADE NUMÉRICA NÃO SE FEZ NOTAR.

A etapa complementar, tem inicio com uma contrariedade para a equipa do Custóias, Magalhães, tem uma entrada mais ríspida, sem com tudo tocar no adversário, o árbitro assim não entendeu e admoesta com o segundo cartão amarelo e consequente expulsão. A Jogar com dez elementos desde o minuto 49, a equipa custóiense não se fez rogada e com os ajustes realizados, equilibrou a contenda, sendo mesmo superior em períodos do encontro. Aos 53 minutos, Mário Rui, recentemente entrado na partida, dispara de fora da área, proporcionando a defesa da tarde a Humberto. Praticamente na resposta, Meneses nega o golo à equipa do Pedras Rubras. Minuto 59, Alex cabeceia em boa posição, mas a bola passa ligeiramente ao lado da baliza de Meneses. Numa toada de parada e resposta, Eduardo tira as medidas à baliza de Humberto, com um excelente remate. Em inferioridade numérica a equipa do Custóias acreditou sempre que era possível adiantar-se no marcador e aos 76 minutos, num livre bem de fora da área (a cerca de 30 mts)na zona frontal, Eduardo, que é muito forte na meia distancia, dispara forte e põe a sua equipa em vantagem no marcador (Humberto, não fez tudo para evitar o golo). A equipa do Custóias, junta as linhas para trancar as investidas da equipa do Pedras Rubras, Meneses evita nova igualdade aos 84 minutos. Até que já quando nada fazia prever a equipa forasteira chega ao empate a dois, minuto 90+1. Tempo ainda para Paulo Lopes repor a vantagem para a equipa do Custóias, mas o avançado custóiense permite a antecipação de um defensor, quando tinha tudo para marcar, aquele que seria o golo da vitória para a sua equipa.

A FIGURA: Eduardo, médio defensivo, 33 anos, é com o Vinho do Porto…!
Sempre bem posicionado, defende com poucos e é detentor de uma magnifica meia distancia, foi dele os dois golos custóienses.

LEÇA VENCE FOLGADAMENTE E ESTA NA LIDERANÇA


III DIVISÃO SERIE B
Estádio do Leça Futebol Clube
Árbitro: Hélder Ferreira (AF AVEIRO)

Leça 3 Alpendorada 0

LEÇA FC: Cláudio, Zé Angola, Tiago Madalena, Zé soares e Ernesto; Rui Ramos (Tiago Neto) Ricardinho, Tiago André (Paiva); Moura, Vitor Hugo (Sérgio Vasconcelos)e Nogueira. Treinador Armindo Machado

ALPENDORADA: Muller, João Luis, Ruben, Marco Alves, André; Artur, Tiago (Rafael), Flávio; Rochinha, Ricardo e Moura. Treinador Moura da Costa.

Ao intervalo, 1-0, marcadores, Vítor Hugo aos 20m, Nogueira aos 83m e Sérgio Vasconcelos aos 86m.

Inicio bastante prometedor da equipa do Alpendorada, que teve um período de 15m com bastante acutilância ofensiva, chegou mesmo a ameaçar a baliza de Cláudio, por duas ou três vezes. Ao melhor período dos forasteiros, responde os leceiros com o golo inaugural, iam decorridos 20m, livre descaído do lado direito, apontado por Moura ao segundo poste, que encontra Vitor Hugo, sem marcação a cabecear a contar. Até ao final da primeira parte, a equipa do Leça, soube controlar o jogo, não permitindo que o adversário cria-se novamente perigo, ao intervalo 1-0, para os da casa.

A segunda parte foi de cariz diferente, avisado desde o inicio da reacção da equipa visitante, a equipa do Leça, não vacilou e foi à procura de dilatar a vantagem, que podia muito bem ter acontecido quando nogueira cabeceia à trave, logo no inicio desta segunda parte. Aos 55 minutos o Alpendorada fica reduzido a dez elementos por expulsão do lateral direto João Luís. O mesmo Nogueira, isolado na cara do guarda-redes desperdiça, minutos depois é a vez de Paiva a imitar o companheiro, desperdiçando também. Até que, depois de tantas oportunidades desperdiçadas a equipa do Leça chega ao golo da tranquilidade por Nogueira aos 83 minutos, canto marcado por Moura, Muller a falhar a intercessão, a bola a sobrar para Paiva, que cruza novamente e Nogueira a encostar. Foi já com Sérgio Vasconcelos em campo que o Leça viria a confirmar a Vitória, canto outra vez marcado por Moura e o mesmo Sérgio Vasconcelos a cabecear para o golo, sem marcação. Resultado final, 3-0. Com este resultado a equipa do Leça, fica a dividir o comando com a equipa do Sousense, com 7 pontos.

RESULTADOS DESPORTIVOS DAS EQUIPAS DE MATOSINHOS

Resultados desportivos das equipas de Matosinhos

LEIXÕES 1 COVILHÃ 0
PADROENSE 1 SÃO JOÃO DE VER 2
FC INFESTA 1 VILA REAL 0
LEÇA 3 ALPENDORADA 0
CUSTÓIAS 2 PEDRAS RUBRAS 2
VILA CAIS 1 PERAFITA 2
LAVRENSE 1 ALFENENSE 1
SOBRADO 1 LEÇA DO BALIO 3
FC FOZ 1 SCS HORA 1
LUISTANOS 1 ALDEIA NOVA 1

DIFICIL, SUADA MAS MUITO JUSTA A VITÓRIA PERAFITENSE


AF Porto 1ª Divisão Série 1 2011/12 Jornada 2
Vila Caiz 1-2 Perafita
Campo D. Amália Mota, Salvador do Monte – Amarante
Árbitro: João Guimarães

Numa tarde com sol encoberto, num pelado de boas dimensões, mas a precisar de alguma manutenção ao nível do terreno de jogo, muita pedra e algumas ervas, que viriam a dificultar o desenrolar da partida. Os predicados para esta segunda jornada estavam lançados, juntamente com o factor do primeiro jogo fora do FC Perafita, adivinhava-se um jogo de muita luta e muito empenho, como se costuma dizer “um jogo de fato-macaco”, e assim foi. No entanto verificaram-se alguma intervenções, da equipa de arbitragem, que somente podem ser explicadas pela muita poeira que sempre acompanhou todo o encontro, no entanto a dualidade de critérios foi sempre prejudicial ao FC Perafita .

O jogo iniciou-se com o Vila Caiz, embora a jogar em casa emprestada, mais habituado ao pelado, a tentar pressionar o último reduto do FCPerafita. O FCPerafita, iniciou o encontro com a sua imagem de marca, muita posse de bola, mas logo corrigiu para um nível mais físico, tendo em vista o adversário e o próprio terreno de jogo, equilibrando assim a contenda e até começando a superiorizar-se ao seu adversário. Logo aos 10’m, Carinhas, numa jogada característica deste “pequeno grande jogador”, sofre uma lesão que o impossibilitou de continuar a dar o seu contributo à equipa sendo substituído por Gualter. O encontro decorria em toada morna, sempre com um maior empenho por parte do FCPerafita, até que, ao 35’m, numa jogada sem perigo eminente decorrida pelo flanco esquerdo dos visitados, a bola chega ao estremo que encostado ao defesa do FCPerafita, agarrando este, consegue entra na grande área, controlando a bola na direcção da bandeirola de canto tropeça em si próprio e cai estatelado na área, sem qualquer duvida o juiz da partida assinala grande penalidade, facto que gerou total estupefacção de todo o público que presenciava o encontro. Este lance assume uma importância vital, pois Marco P. foi admoestado com o cartão amarelo, que viria a ser preponderante para o desenrolar da partida. Penalti marcado, inaugurando o marcador, primeiro golo sofrido pelo FCPerafita. Diga-se, o Vila Caiz, até ao momento não tinha criado nenhuma situação, sequer, de pretenso perigo nas imediações da área. No seguimento deste episodio, aos 41’m, marco P., vê o segundo cartão amarelo e consequente vermelho por uma falta supostamente cometida sobre um atacante dos visitados, quando o que realmente se verificou, foi que o avançado agarrou, prendeu o defesa do Perafita e rodou deixando-se depois cair iludindo o juiz da partida, mas mais uma vez, o juiz sem qualquer duvida expulsou o defesa do Perafita.

No inicio da segunda parte, o Perafita surgiu com uma alteração, entrando Cheta para a linha avançada, que viria a ter importância determinante no desfecho da partida. Verificou-se logo para que vinha, nesta segunda parte a equipa do Perafita, muito mais afoita, com as linhas muito mais juntas, mesmo com menos um elemento em campo nada o fazia transparecer, assim, ao 46’m, num cruzamento muito bem delineado por Gualter, encontrou Cheta a desviar o esférico para o segundo poste, onde surge Nandinho a desferir o remate indefensável, fazendo assim o empate e conferindo, na altura, alguma justiça ao marcador. Logo após o reatar da partida, numa jogada viril, mas longe de ser agressiva para com o adversário, Gualter vê u cartão Vermelho directo, mais uma vez o juiz da partida não teve dúvidas no seu acto deixando assim o Perafita com 9 elementos em campo. Sem poder respirar e até festejar o golo do empate o Perafita vê-se uma vez mais ainda em mais dificuldades, mas são nestes jogos que as verdadeiras equipas se constroem e se evidenciam, e neste sentido, todos os nove elementos do Perafita tornaram-se em verdadeiros heróis, pois não é fácil jogar futebol nestas circunstâncias, muito mais fazer o que viriam a fazer. Dando a posse de bola aos visitantes, mas nunca deixando de atacar e contra atacar a baliza dos visitados, por sua vez os visitados, nunca conseguiram perceber como ultrapassar todo o empenho das linhas do Perafita, nunca conseguiram criar uma situação que fosse de perigo para as redes de Mata, por sua vez, quer Nandinho, quer Cheta, quer Paulinho, quando podiam iam incomodando os defesas dos visitados, deixando-os sempre de sobre aviso, nunca deixando que estes se adiantassem em demasia, podendo fazer o desequilíbrio para a sua defensiva. Foram ganhas muitas faltas pelos dianteiros do Perafita anteriormente mencionados, decorria o 80’m, quando mais uma falta foi cometida sobre Cheta, Paulinho pegou no esférico e colocou-o na marca assinalada pelo juiz da partida, a mais ou menos 25Mts da baliza dos visitados, tomou balanço, partiu para a bola e rematou com força, a bola no seu percurso sofreu um desvio que a levou a entrar no ângulo superior esquerdo da baliza dos visitados, fazendo assim um golo de alguma sorte, mas que nesta altura era já justificável pela equipa de 9 elemento do Perafita. O Perafita conseguia um feito heróico, não por se encontrar em vantagem, mas sim pela forma como foi conseguida, com muito empenho e muito querer. Faltavam agora dez minutos para o final do encontro, fruto da sua maior experiência, o Perafita conseguiu, fazer baixar o ritmo de jogo, transportando-o sempre para longe da sua área, para assim não vir a ser surpreendido depois deste esforço valoroso. Neste período que se viria a alongar por mais 6’m dados pela equipa de arbitragem, presenciou-se a vários lances que merecem evidência, numa jogada de posse de bola do Perafita, Cheta e barbaramente agredido por um adversário, que somente viu o cartão amarelo, Raimundo depois de conseguir desfeitear um adversário é agredido com uma pisadela na coxa, nos olhos de um dos juízes de linha, nem cartão viu o adversário. A partida terminou aos 96’m coma as hostes do Perafita a exultarem a união da equipa e o esforço dos elementos que conseguiram ficar em campo.
Fica para a história a vitória do Perafita, num terreno muito difícil, por todos os aspectos, a equipa do Vila Caiz, denotam alguma qualidade, mas também alguma inexperiência
Uma palavra para a equipa da arbitragem, que já fez melhores actuações, esperando-se que isso volte a acontecer.

Perafita alinhou: MATA; MARCO P.; TRAJANO; HELDER MAIA; RAIMUNDO; MARCO MOREIRA; CARINHAS (GUALTER); TINAIA (IVO); NANDINHO; PAULINHO; LUTCHINDO (CHETA)
Golos : PAULINHO E NANDINHO

Fotos Feliciano de Lima

LEIXÕES SC EQUIPAS DE SONHO

LEIXÕES SC EQUIPAS DE SONHO

LEÇA FC EQUIPAS QUE FIZERAM HISTÓRIA

LEÇA FC EQUIPAS QUE FIZERAM HISTÓRIA

FC INFESTA GRANDES EQUIPAS

FC INFESTA GRANDES EQUIPAS

PADROENSE FC EQUIPA QUE SUBIU Á II NACIONAL

PADROENSE FC EQUIPA QUE SUBIU Á II NACIONAL

SC SENHORA DA HORA EQUIPAS

SC SENHORA DA HORA EQUIPAS

CUSTÓIAS FC AS SUAS EQUIPAS

CUSTÓIAS FC AS SUAS EQUIPAS

UD LAVRENSE A MELHOR EQUIPA

UD LAVRENSE A MELHOR EQUIPA

FC PERAFITA AS SUAS EQUIPAS

FC PERAFITA AS SUAS EQUIPAS

D LEÇA DO BALIO

D LEÇA DO BALIO

OS LUSITANOS SCFC

OS LUSITANOS SCFC