RÁDIO CIDADE MATOSINHOS

terça-feira, 19 de abril de 2011

LUSITANOS COM OUTRAS CONDIÇÕES, PODERIA TER ASPIRADO A OUTROS VOOS


Grande jogo, grande vitória

A equipa do Lusitanos realizou mais um grande jogo, diante de uma equipa que ocupa os lugares cimeiros da classificação, brindando os seus adeptos com mais uma exibição muito boa, quer em termos futebolísticos, quer em entrega e determinação, conseguindo assim mais uma vitória sem contestação. A equipa do Cruz apenas conseguiu aguentar o ritmo imposto pelo Lusitanos, durante o decorrer da 1ª parte, onde o jogo foi repartido e com oportunidades de ambos os lados, tendo o intervalo chegado com um nulo no marcador, que se pode considerar justo.


O domínio do Lusitanos acentuou-se na 2ª parte e começou logo com a obtenção do 1º golo por Fábio no minuto 47, a partir desse golo, só deu Lusitanos, assistimos a excelentes jogadas por parte da equipa do Lusitanos, que por várias vezes trocou a bola entre os sectores e efectuou um bom jogo, diante de um adversário que demonstrou muita qualidade, mas foi incapaz de contrariar o poderio adversário. O 2º golo apareceu no minuto 61, através da transformação de uma grande penalidade, a punir mão dentro da are a e foi superiormente apontado por Ricardo Silva, mas o melhor momento estava para vir, o momento do 3º golo, um grande golo apontado por João, que finalizou com um remate à meia volta, sem deixar cair a bola, depois de ter controlado a bola com o peito, um grande momento de futebol, que aconteceu no minuto 70.


Até final do jogo assistimos ao domínio completo do Lusitanos no jogo, tendo o Cruz disposto de uma única oportunidade para reduzir, quando na parte final da partida o árbitro resolveu assinalar uma grande penalidade contra o Lusitanos, que provocou a gargalhada geral, dado tratar-se de um lance perfeitamente normal, grande penalidade que foi superiormente defendida pelo g.r. do Lusitanos Tiago. Mais uma vitória, mais uma boa exibição do Lusitanos, que vem no seguimento dos bons resultados que a equipa tem conseguido ultimamente, a demonstrar que com outras condições, poderia ter aspirado a outros voos.


Lusitanos: Tiago, Kiko (Paulo 63), Guerra, Carlos Manuel, Xuxa, Meneses, Ricardo Silva, Carlos Miguel, Costinha, Fábio (Sandro 85) e João (Ricardo Lopes 74).
Treinador Marco Aleixo

Crónica do colaborador do "mitchfoot" JORGE CORDEIRO

REBELO QUE É POLICIA DE PROFISSÃO EFECTUOU UM ASSALTO AS CONTAS FINAIS DA PARTIDA


Local: Estádio do Leça Futebol Clube, em Leça da Palmeira -Matosinhos

Árbitro: Roberto Rebelo (Madeira)

A equipa leceira recebeu em sua casa a equipa do Mondinense, num jogo arbitrado pela segunda vez consecutiva por um “juiz” da Madeira

EMPATE COMPROMETEDOR


Também pela segunda vez consecutiva em casa, a equipa leceira, empata o jogo a uma bola, desta feita frente a um adversário que continua ligado à máquina da sobrevivência da manutenção. E de novo, o Leça FC começou o jogo a perder, ao consentir um golo aos 4 minutos, fruto de uma desatenção defensiva dentro da área leceira. No minuto seguinte, o árbitro da partida assumiu o papel principal do jogo ao ignorar um derrube claro dentro da área do Mondinense, optando por admoestar Bi Jinhao com um cartão amarelo por pretensa simulação. Este lance foi o pontapé de saída para uma arbitragem infeliz do Sr. Rebelo, polícia de profissão mas que efectuou um verdadeiro assalto às contas finais da partida. No minuto 37 foi perdoada uma expulsão ao médio Romeu (Mondinense) por entrada a pés juntos sobre Magalhães, que resultou na substituição do defesa leceiro por lesão. Até final da primeira parte o Leça FC criou algumas oportunidades de golo mas o guardião do Mondinense estava em dia sim.


Na segunda parte os leceiros continuavam a desperdiçar oportunidades de golo claros e a equipa que veio de Mondim de Basto a responder através de lances de contra-ataque mas o guardião da casa Festas, ou a inaptidão ofensiva dos avançados da equipa forasteira impediram que a vantagem se dilatasse. Contudo, Ricardo Teixeira empatou o jogo, fruto de um cruzamento do médio Sequeira, que o “TANQUE” facturou restabelecendo a igualdade, aos 78 minutos, elevando a sua contagem pessoal para 8 golos no campeonato. Nos minutos finais a toada de jogo foi frenética, com os lances de golo a sucederem em catadupa quando as duas equipas estavam completamente desorganizadas tacticamente. A vontade em chegar ao golo resultou em completa emoção e futebol de ataque. Arbitragem muito má com prejuízo dos leceiros.

LEÇA FC: Festas, Magalhães (Domingos), Zé Soares, Tiago Magano, João Pedro; Bessa (Sérgio Silva), Amaral, Sequeira, Ricardinho (Tiago André), Bi Jinhao, Ricardo Teixeira.
Treinador: Armindo Machado.

MONDINENSE: David, Miguel, Diogo, Kipulo, João Miguel (Hugo), Zé Henrique, Mike, Pataco (Edisson), Romeu (Jair), Ibrahima, Jaime.
Treinador: Carlitos.

Intervalo: 0-1 Marcadores: Ibrahima (4`) e Ricardo Teixeira (78`)

Próxima jornada a equipa do Leça FC vai defrontar a equipa do Rebordosa, em casa deste.

CRÓNICA DO JOGO, com a colaboração do blogue
http://lecafccamadasjovens.blogspot.com/

TRIO DE AR(TISTAS)BITRAGEM ESTRAGOU O ESPETÁCULO


O jogo realizado no Complexo Desportivo do Leça do Balio foi uma autêntica vergonha.

PAGINA NEGRA NOS JOGOS DA A.F.PORTO

Tinha tudo para ser um grande jogo de futebol, mas isso não aconteceu, somente por culpa do trio de arbitragem. Com a equipa da casa com a sua classificação definida, entenda-se a manutenção garantida, este encontro tinha outros atributos que o consideravam importante, tal como a posição na classificação da equipa de Serzedo, no 2º lugar da tabela classificativa, a lutar pela possível subida de divisão, com a vantagem pontual sobre o Perafita.

Mas o que perspectivava um grande encontro de futebol, não se veio a concretizar, embora as duas equipas, tanto do Desportivo de Leça do Balio, como também a equipa do Serzedo, tudo tenham feito para que o espectáculo fosse digno desse nome desportivo – FUTEBOL, no entanto a terceira equipa em campo chefiada pelo Sr. Manuel Oliveira, que ostentava no peito as insígnias da F.P.F., não estava com o mesmo objectivo das duas anteriores.


Com uma gritante dualidade de critérios, sempre, em prejuízo dos locais, pois foram inúmeras as situações onde, e sempre, os jogadores do Serzedo, jogaram o esférico com as mãos, tirando partido dessas mesmas situações. Mas também os restantes elementos que constituíram o TRIO, actuaram pela mesma batuta do chefe de equipa, pois se na primeira parte o “Juiz”, que acompanhava o ataque do Leça do Balio, esteve permanentemente com a bandeirola levantada, já na segunda parte, não levantou uma única vez, facto que espelha muito bem a coordenação existente entre todos os elementos da equipa de arbitragem.

LEÇA DO BALIO 0 SERZEDO 3

Passando agora para o campo disciplinar, o primeiro “Juiz” de linha, ou seja o que se encontrava do lado dos bancos de suplentes também entrou em cena, depois de ver o seu “chefe” expulsar o Treinador adjunto dos locais, por pretensas palavras, que ele próprio, e todos os presentes no complexo não conseguiram ouvir, somente o Sr. Arbitro, porque será? O mesmo “juiz”, começou por chamar o seu líder, porque o treinador principal, também do Leça do Balio, estava a dialogar, sempre dentro do maior respeito, com um jogador do Serzedo, mandou dar ordem de expulsão ao referido treinador. Todos estes episódios se passaram no espaço de mais ou menos 25 minutos, ou seja, nos primeiros 10 minutos expulsam um treinador (adjunto), não satisfeitos com a sua encenação, à passagem dos referidos 25 minutos expulsam outro treinador (principal), como o encontro decorria com muito equilíbrio, foi desta forma que conseguiram arranjar o desequilíbrio necessário para que a festa tivesse nome – TRIO DE ARBITRAGEM.


Quanto ao jogo propriamente dito, poderia ter sido um grande espectáculo, pois o Leça do Balio já tinha vindo a provar as boas exibições, principalmente em jogos realizados no seu reduto. Na primeira parte sem referir a intervenção dos elementos da equipa de arbitragem o jogo foi muito repartido, com algumas situações de potencial golo, mais na baliza dos locais, facto facilmente compreensível! O resultado ao intervalo era justo.


Na segunda parte a equipa do Serzedo, motivada pelo decorrer do acontecido no primeiro tempo surgiu mais afoita e foi procurar a vantagem do resultado, no entanto a equipa do Leça do Balio, mesmo com todas as contrariedades criadas, sempre pelos mesmos protagonistas, lá conseguia defender a sua baliza e a sua honra. No entanto, em mais um acto de encenação arbitral, é expulso o médio defensivo da equipa local, com acumulação de cartões amarelos, diga-se, ambos exagerados. Os golos que deram a vitória ao Serzedo, ficam beliscados, os dois primeiros, por irregularidades posicionais, dos jogadores que fizeram os últimos toques, encontrando-se, ambos em nítido fora de jogo. O primeiro, após desvio de cabeça ao primeiro poste, regular, pois este jogador vem de trás e ocasiona uma bela defesa, por instinto a Dinis, que com uma palmada para a frente coloca o esférico na cabeça do avançado do Serzedo, este sim em fora de jogo desde o início da jogada. O segundo golo obtido numa transição rápida, mas, também ele ferido de ilegalidade, pois o último toque desferido pelo avançado do Serzedo e realizado com este em clara posição de fora de jogo, refira-se que o mesmo jogador só festejou o golo após ter olhado para o Juiz de linha que começou, tardiamente a correr para a linha de meio campo, facto que traduz a espectativa do marcador do golo. O terceiro golo foi o único golo legal e ao mesmo tempo o mais bonito, pois quando o Leça do Balio tentava, contra tudo e contra todos, minimizar o resultado injusto que se verificava, o Serzedo, num chuto para a frente, consegue isolar o seu avançado que com um bom domínio e face à saída, para diminuir o ângulo de remate por parte do guardião Dinis, executou um chapéu de belo efeito fixando o resultado final. Resultado injustíssimo e ferido de parcialidade pelo trio de arbitragem, que não dignifica um desporto que luta todos os dias pela transparência, assim não será possível obtê-la e muito menos fazer com que o desporto rei aspire salvaguardar os verdadeiros pilares que sustentam a sua magnânima posição entre os demais desportos.

LEÇA DO BALIO: Dinis; Marco Pereira; Virgílio (Saraiva); Rita; Grilo; Marco I; Joel; Feliciano (Chaves); Carlitos; Ismael; Barros (César).

LEIXÕES SC EQUIPAS DE SONHO

LEIXÕES SC EQUIPAS DE SONHO

LEÇA FC EQUIPAS QUE FIZERAM HISTÓRIA

LEÇA FC EQUIPAS QUE FIZERAM HISTÓRIA

FC INFESTA GRANDES EQUIPAS

FC INFESTA GRANDES EQUIPAS

PADROENSE FC EQUIPA QUE SUBIU Á II NACIONAL

PADROENSE FC EQUIPA QUE SUBIU Á II NACIONAL

SC SENHORA DA HORA EQUIPAS

SC SENHORA DA HORA EQUIPAS

CUSTÓIAS FC AS SUAS EQUIPAS

CUSTÓIAS FC AS SUAS EQUIPAS

UD LAVRENSE A MELHOR EQUIPA

UD LAVRENSE A MELHOR EQUIPA

FC PERAFITA AS SUAS EQUIPAS

FC PERAFITA AS SUAS EQUIPAS

D LEÇA DO BALIO

D LEÇA DO BALIO

OS LUSITANOS SCFC

OS LUSITANOS SCFC