RÁDIO CIDADE MATOSINHOS

domingo, 30 de agosto de 2015

PARA LÁ DO MARÃO MANDAM OS QUE LÁ ESTÃO


5ª JORNADA DA SEGUNDA LIGA 
 Estádio Municipal Eng.º Manuel Branco Teixeira, em Chaves. 
Árbitro: Hugo Miguel (Lisboa). 
Ação disciplinar: cartão amarelo para Miguel Ângelo (46 e 78), Gonçalo Graça (48), Pan Ximing (54), Assis (55), Ricardo Barros (65). Cartão vermelho por acumulação para Miguel Ângelo (78) e direto para Max (84). 
Desportivo de Chaves 3 – Leixões 0 
Ao intervalo: 2-0.Marcadores: Sandro Lima, (6` e 27) Siaka Bamba, (79) 

CHAVES: António Filipe, Tiago Almeida, Miguel Oliveira, Fábio Santos, Nélson Lenho, Assis, Luís Silva, Diogo Cunha, Braga (Siaka Bamba, 66), Sandro Lima (Barry, 74) e João Mário (João Reis, 65). Treinador: Victor Oliveira. 

LEIXÕES: Ricardo Moura, Gonçalo Graça (Pedras, 65), Pedro Pinto, Pan Ximing, Max, Rui André, Malafaia (Rui Cardoso, 46), Bruno Lamas, Rateira, Ricardo Barros, Jorginho (Miguel Ângelo, 46). Treinador: Manuel Monteiro. 

O Desportivo de Chaves entrou melhor na partida, mais aguerrido e pressionante e, praticamente a ganhar, com o golo de Sandro Lima, após assistência de Tiago Almeida. O Leixões mostrava grandes dificuldades defensivas, permitindo total domínio à equipa da casa, que, aos 27 minutos, aumentou a vantagem, de novo por Sandro Lima. A partida corria de feição aos comandados de Victor Oliveira e Braga, a cinco minutos do intervalo, com tudo para marcar, rematou ao lado. A equipa de Matosinhos só conseguiu criar perigo através de um livre de Rateira com a bola a rasar o poste. 

 
Na segunda metade, a equipa azul-grená continuava superior e, logo aos 46 minutos, Miguel Oliveira esteve perto de dilatar o marcador. A equipa da casa criava muito perigo a Ricardo Moura que, por duas vezes, negou o golo aos da casa. Tal como na primeira metade, os forasteiros só chegaram à baliza através de um livre de Bruno Lamas, aos 60. O Leixões ficou reduzido a dez unidades, depois da expulsão de Miguel Ângelo, aos 78 minutos, e os transmontanos, instalados no meio-campo do Leixões, chegaram ao terceiro golo por Siaka Bamba. Na reta final do encontro, Diogo Cunha foi chamado a converter uma grande penalidade, castigando falta de Max, que também foi expulso, mas desperdiçou.

Conferência de Imprensa
Manuel Monteiro
"O primeiro golo praticamente resolveu o jogo. Sofrer um golo tão cedo tornou muito mais difícil um jogo que já era muito complicado. O Chaves não jogou na quarta-feira e estava bem mais fresco do que nós, o que também foi determinante, mas o Chaves ganhou e ganhou bem. Quero dar os parabéns aos meus jogadores, porque lutaram muito mas não conseguiram o resultado que pretendíamos e que queríamos oferecer aos adeptos que nos acompanharam até Chaves. Agora vamos descansar um pouco e preparar muito bem o próximo jogo que é só daqui a 15 dias."
Vítor Oliveira
"Vitória justa da minha equipa com uma boa exibição. O resultado expressa bem a diferença exibicional das duas equipas. Precisávamos desta vitória para não deslocar dos primeiros. Parabéns aos meus jogadores pelo que fizeram num dia de muito calor e perante um Leixões organizado que trabalhou muito e complicou bastante a nossa tarefa."


quarta-feira, 26 de agosto de 2015

LEIXÕES VENCE PORTO (B) EM INFERIORIDADE NÚMERICA

4ª JORNADA DA SEGUNDA LIGA 
Estádio do Mar, em Matosinhos. 
Árbitro: Vasco Santos (Porto). 
Ação disciplinar: Cartão amarelo para André Silva (16), Max (45), Diogo Nunes (62 e 72) e Malafaia (67). Cartão vermelho por acumulação de cartões amarelos para Diogo Nunes (72). LEIXÕES 2 PORTO B 0 
Ao intervalo: 1-0. Marcadores: Rateira (17`g p), Bruno Lamas (80`) 

LEIXÕES: Taha, Yuanyi Li, Pedro Pinto, Diogo Nunes, Max (João Pedro, 53), Malafaia, Rui André, Cadinha (Bruno Lamas, 46), Miguel Ângelo (Pan Ximing, 73), Rateira e Ricardo Barros. Treinador: Manuel Monteiro. 

FC PORTO B: Gudiño, Victor Garcia, Verdasca (Sérgio Ribeiro, 77), Maurício, Rafa, Omar (Rúben Macedo, 65), Francisco Ramos, Graça (Fede Varela, 65), Gleison, Ismael e André Silva. Treinador: Luís Castro. 

No aproveitar é que está o ganho, Rateira abriu e Bruno Lamas fechou. Leixões vence pela primeira vez no campeonato e marca os primeiros golos. 
O Leixões, em inferioridade numérica, alcançou hoje a primeira vitória na Segunda Liga de futebol ao vencer o FC Porto B, por 2-0, em jogo da quarta jornada, disputado no Estádio do Mar, em Matosinhos. Numa primeira parte que começou animada, com os portistas a mostrarem cedo intenções atacantes e o Leixões a procurar ser rápido nas transições, a verdade é que os lances de perigo foram uma raridade.

domingo, 23 de agosto de 2015

LEÇA GOLEIA PADROENSE COM PEDRAS A BISAR

 
2º JORNADA DA TAÇA BRALI GRUPO II 
Estádio do Padroense 
Árbitro- João Gonçalves 
PADROENSE 0 LEÇA 4 
Ao intervalo, 0-3 marcadores, Pedras (6 e 68) Bruno Freitas (21) Jair (45+23 gp) 

 PADROENSE: Humberto, Pedro, Miranda, Rui Carvalho (Jonas 79), Hélder (Toninho 46`), Kaká. China (André 69), Renato, Paulinho, Carlitos (Chico 69) e Taipa. Treinador Augusto Mata. 

LEÇA: Diogo, Meneses (Turé 31`), Alex, Bruno Freitas, Hugo, Pedras, Mesquita(Evandro 80), Jair (Noura 80), Mika, Fábio Loureiro (Jota 63`) e Cheta (Jó 80). Treinador Nuno Costa. 

O Leça garantiu a segunda vitória consecutiva, batendo o Padroense por 4-0, em casa deste para 2ª jornada da Taça Brali Grupo II. 
O avançado Pedras dos leceiros, acabou por ser a figura obtendo um BIS numa partida em que o Padroense até teve mais iniciativa, mas não conseguiu materializar as situações que criou. 

Os padroensistas até entraram mais soltos, e mesmo não acelerando davam mostras que controlavam as operações. Mas PEDRAS estava no lado contrário e aos 6 minutos, de fora da área, arrisca para ser feliz e dispara para a baliza fazendo um golo, que na nossa opinião teve ajuda do experiente guarda redes Humberto (deixou fugir a bola entre mãos). 
 Apos insistência no ataque à procura de empatar criando até uma chance flagrante para isso (Carlitos falha escandalosamente o empate) na sequência de um pontapé de canto, Bruno Freitas à segunda amplia a vantagem leceira. Aos 25 minutos, Humberto faz defesa portentosa para evitar o terceiro do Leça. A bola rondava com perigo ambas as balizas e chega a vez de Diogo imitar o seu colega de posto, negando autenticamente o golo a China, médio da casa. 29 minutos, o canto do cisne para a turma da casa, Carlitos atira ao poste, depois de jogada ofensiva brilhante. Pertinho do intervalo, Mesquita arranca do meio campo em direcção à baliza do Padroense e só é parado com derrube por trás, já dentro da área de rigor (algumas duvidas no lance) árbitro auxiliar da bancada manda assinalar penalti que o brasileiro Jair converteu no terceiro para o Leça.


O segundo tempo, o Leça dá iniciativa ao Padroense e joga em transições, desferindo golpes que iam fazendo mossa na defensiva do Padrão. Minuto 68, o momento do jogo, PEDRAS faz golo de bandeira, o avançado leceiro, faz uma diagonal, dribla todos o que aparecem pela frente e na cara de Humberto dispara de uma forma subtil fazendo a bola anichar-se nas redes, festejando de seguida o 4º golo seu 2º da tarde. 
Até ao fim, mais golos poderia ter surgido, mas o resultado não se alterou. 
Em suma, foi um encontro agradável de assistir com um desfecho com um vencedor justo mas por números exagerados. Arbitragem em bom plano.

JOGAR BEM NÃO CHEGA É PRECISO MARCAR GOLOS

3ª JORNADA DA SEGUNDA LIGA
Estádio do Varzim SC, na Póvoa de Varzim. 
Árbitro: André Moreira (Leiria) 
Ação disciplinar: Cartão amarelo para Tiago Lopes (6), Pedro Sá (31), Pedro Santos (31), Gonçalo Graça (45+2 e 89), Sandro (51). Cartão vermelho por acumulação para Gonçalo Graça (89), Cartão vermelho direto para Ricardo Moura (90+5). 
VARZIM 1 LEIXÕES 0 
Ao intervalo: 0-0. Golo, Stanley, (71`) 

VARZIM: Pedro Soares, Tiago Lopes, Pedro Santos, Sandro, João Carneiro, Pedro Sá, Nélson Agra (Pedro Cervantes, 84), Nélsinho, Hernâni (Adilson, 46), Diego Mourão e Rui Coentrão (Stanley, 68). Treinador: Quim Berto. 

LEIXÕES: Ricardo Moura, Gonçalo Graça, Pedro Pinto, Diogo Nunes, Max, Malafaia, Rui André (Bruno Lamas, 74), Cadinha, Miguel Ângelo, Pedras (Ricardo Barros, 61) e Alemão (Guo Yi, 45+2). Treinador: Manuel Monteiro. 

Neste dérbi regional, o jogo foi quase sempre equilibrado e intensamente disputado, embora sem ocasiões flagrantes de golo nas duas balizas. O Leixões saiu derrotado pela margem mínima da Póvoa de Varzim, num jogo em que sofreu o golo decisivo quando estava por cima do adversário e tinha acabado de desperdiçar uma excelente oportunidade. Mas se o remate de Miguel Ângelo, depois de tabelar bem com Ricardo Barros, errou o alvo por muito pouco, o mesmo não sucedeu pouco depois, quando Stanley furou pela direita da nossa defesa e bateu Ricardo Moura. 

Além da derrota a equipa do Mar, perde dois jogadores para a próxima jornada, Gonçalo Graça foi expulso por acumulação de cartões e Ricardo Moura viu vermelho direto no penúltimo lance da partida, o árbitro considerou que o guarda-redes leixonense derrubou o isolado Stanley, apontou para penálti e, já com Malafaia como guardião de recurso, Nelsinho atirou ao poste no pontapé que fechou o jogo. 

Tal como aconteceu no jogo frente ao Atlético, confirma-se que controlar o jogo não chega e que o que conta são os golos, o que o Varzim conseguiu na primeira jogada de perigo em toda a segunda parte. No tudo por tudo final, Bruno Lamas rendeu Rui André e o brasileiro ainda assinou dois remates intencionais, um ao lado outro à figura, mas o jogo acabaria com as duas expulsões e o penálti desperdiçado. 

Conferência de Imprensa 

Manuel Monteiro "O jogo foi quase sempre equilibrado mas, uma vez mais, cometemos um erro que ditou o resultado. Antes disso tínhamos tido uma situação clara de golo e depois do 1-0 voltámos a ter outra, mas o certo é que perdemos outra vez, sem merecer é certo, mas o futebol é assim. Senti a equipa muito motivada para hoje, os jogadores lutaram e correram muito e estão de parabéns por isso, mas não conseguimos vencer e esse é que era o objetivo. Temos de levantar o moral para o jogo de quarta-feira." 

Quim Berto "Boa vitória frente a um adversário muito difícil, muito competitivo, que nos criou sempre muitas dificuldades. As duas equipas bateram-se bem e ganhou quem fez um golo e ainda podia ter feito outro. Já merecíamos esta vitória."

segunda-feira, 17 de agosto de 2015

ARMANDO MESQUITA FIXEM ESTE NOME

ESTARÁ PARA BREVE O REGRESSO DO GUERREIRO? 

Mitchfoot sabe que o melhor jogador do ano do futebol de Matosinhos, tem tido um recuperação simplesmente notável o que sem duvida enche os nossos corações de alegria ( o meu particularmente) como sabem ele é vitima de cancro nos intestinos. 
Armando Mesquita regressou esta segunda feira ao relvado participando com limitações no apronto agendado da equipa do Padroense. Tudo se confirma para que o Cancro seja derrotado e consequentemente aplaudir esta vitória de um ser humano maravilhoso.

PADROENSE REFORÇA-SE COM UM EX CAMPEÃO EUROPEU

Toninho, médio, jogava no FC Perafita é a partir de hoje reforço do Padroense 

O campeão europeu de sub 16 (2000) deu nas vistas no Caldas, onde os "dragões" o foram recrutar. Porém, apesar de ter sido internacional em vários escalões, nunca dispôs de uma oportunidade para mostrar o seu valor no plantel principal do clube portista. Construiu carreira em clubes das zonas do Porto e Aveiro, como Sanjoanense, Pampilhosa, Aliados de Lordelo, Cesarense, Grijó e Perafita FC, que representava há duas épocas.

LEÇA DESPACHA PERAFITA DE FORMA FÁCIL


Estádio do Leça FC em Leça da Palmeira 
1ª Jornada da fase de grupos (grupo II) Taça Brali AFP 
Árbitro João Pereira 
LEÇA FC 3 PERAFITA 0 
Ao intervalo, 2-0, Marcadores, Fábio Loureiro (6`) Pedras (14`) Marcelo (76`). 

LEÇA FC: Diogo Mochilas, Alex, Mika (Touré 84`), Bruno Freitas (Evandro 84`), Jair, Fábio Loureiro (Cheta 57`), Jota (Marcelo 57`), Meneses, João Paulo Noura, Pedras (Pedrinho 84`) Mesquita. Treinador Nuno Costa. 

PERAFITA: Luís Mata, Tiga, Nuno Sérgio, Tiago Silva (Murdock 67`), André Rocha, Couto, Tiago Coutinho, Marco Fafiães, Ricardinho, Mesquita (Vinagre 46`), João Paulo (Vieira 57`). Treinador Paulo Gentil. 

A equipa do Leça, recebeu o seu vizinho com ganas de o despachar rapidamente. 
 Para primeiro jogo oficial da época para ambas as equipas, até que se assistiu a um jogo já com um ritmo bastante aceitável para o início das competições.
 Ambos os conjuntos apresentaram-se com grades alterações em relação à época passada, mas foi o Leça quem mais demonstrou outro andamento e com os sectores melhor entrosados, fruto de tudo isto, à passagem do primeiro quarto de hora, já os anfitriões venciam o jogo com dois golos sem resposta, fazendo jus à sua melhor disciplina táctica e melhor entrosamento. 
Com superiodade sobre o seu adversário em quase todos os capítulos do jogo, o terceiro golo apareceu com naturalidade sendo que antes mesmo a turma leceira ameaçou a baliza de Luís Mata, tendo mesmo enviado uma bola as ferros do guardião perafitense. 
Em suma uma vitória natural frente a um adversário que parece ter muito caminho ainda por percorrer para se apresentar nas melhores condições (recorde-se que o Perafita ainda a uma semana a trás foi goleado 0-5, em casa frente ao FC Pedras Rubras na final do torneio António Santana).

LEIXÕES PERDE COM TREMENDA INJUSTIÇA

 
Estádio do Mar, em Matosinhos. 
2ª Jornada da Segunda Liga 
Árbitro: Gonçalo Martins (Vila Real). 
Ação disciplinar: Cartão amarelo para Djikiné (59), Lucas (83), Max (90+1). 
LEIXÕES 0 ATLÉTICO 1 
Ao intervalo: 0-0, marcador, Palácios (85`) 

LEIXÕES: Ricardo Moura, Gonçalo Graça, Pedro Pinto, Diogo Nunes, Max, Rui André, Rui Cardoso, Alemão (Rateira, 83), Miguel Ângelo (Guo Yi, 66), Pedras (Ricardo Barros, 75) e Bruno Lamas. Treinador: Manuel Monteiro. 

ATLÉTICO: Meira, Duarte Machado, Lucas Rocha, Pierre, Maurício, Jorge Ribeiro, Djikiné, Hélio (Diogo Pires, 74), Palácios, Vouho (Lopez, 84) e Stehb (Quinaz, 60). Treinador: Jorge Andrade. Incrível. 

Num jogo em que só o Leixões quis vencer, foi o Atlético quem levou os três pontos para casa, numa daquelas injustiças em que o futebol é fértil. O Leixões perdeu, pela primeira vez esta época, mas nunca baixou os braços e foi quem mais fez pelos pontos, perante um adversário que criou uma única ocasião de golo, na sequência de um erro Leixonense e que se preocupou única e exclusivamente em queimar tempo para levar o nulo até aos 90'. 

 De realçar a forma aguerrida com que os jogadores leixonenses se bateram, sempre com a iniciativa do jogo e com os olhos postos na baliza contrária. 
No primeiro tempo, oportunidades de golo não faltaram, nomeadamente duas bolas no ferro (Gonçalo Graça, aos 8’, e Miguel Ângelo, aos 23’) e com um livre direto de Pedras que o guarda-redes desviou a custo por cima da barra (28’).
 A história do encontro manteve-se após o intervalo, com o Leixões instalado no meio-campo contrário, a ganhar cantos em cima de cantos mas sem conseguir empurrar a bola para dentro da rede contrária, colocando justiça no marcador. Como se o empate já não fosse suficientemente castigador, a cinco minutos do final confirmou-se a máxima futebolística de que quem não marca arrisca-se a sofrer e o Atlético, aproveitando um lapso Leixonense a meio-campo, lá conseguiu o golo que definiu o resultado, por Palacios, que surgiu isolado na cara de Ricardo Moura. Já nos descontos, Rui Cardoso teve nos pés uma ocasião de amenizar o prejuízo, mas o remate frontal do 28 do Mar não passou dos punhos de Meira e o jogo terminou pouco depois. 

Conferência de Imprensa 

Manuel Monteiro "Jogo de sentido único, com o Atlético a fazer antijogo desde os primeiros minutos, algo que, em tantos anos de futebol, nunca vi uma equipa fazer. A única equipa que merecia a vitória era o Leixões, porque fomos claramente melhores do que o adversário. Tivemos duas bolas na barra e mais algumas oportunidades, pelo que é um resultado tremendamente injusto para aquilo que fizemos. O Atlético não fez um ataque e apenas num erro nosso chegou lá para fazer um golo Não tivemos sorte, mas vamos procurá-la já no próximo jogo. Estamos tristes pelo resultado, mas não pela aplicação e pela atitude que os jogadores tiveram em campo." 

 Jorge Andrade "Na primeira parte, o Leixões criou-nos muitas dificuldades. Na segunda parte conseguimos desequilibrar a partir da bravura dos nossos jogadores e de rápidas transições. Conseguimos vencer com todo o mérito. Os meus jogadores estão de parabéns. Com esta atitude vamos atingir os nossos objetivos."

terça-feira, 11 de agosto de 2015

LEIXÕES ARRANCA COM UM EMPATE A ZERO


1ª Jornada da Segunda Liga 
Estádio 25 de Abril, em Penafiel. 
Árbitro: Jorge Ferreira (Braga). 
Ação disciplinar: Cartão amarelo para Rui André (40), Max (50), Ângelo Menezes (54) e Yero (75). 

Penafiel: Coelho, Tiago Rosa, Ângelo Menezes, Pedro Ribeiro, Pedro Araújo, Bata (Mbala, 86'), Bruninho (Vieira, 75'), Djibril, Gonçalo Abreu (Aldair, 46'), Tiago Barros e Yero. Treinador: Carlos Brito. 

Leixões: Ricardo Moura, Gonçalo Graça, Pedro Pinto, Diogo Nunes, Max, Rui André, Pedro Tavares (Malafaia, 71'), Rateira (Ryan, 80'), Bruno Lamas, Miguel Ângelo (Guo Yi, 63') e Pedras. Treinador: Manuel Monteiro. 

O Penafile, a jogar em casa, começou melhor e teve um ligeiro ascendente sobre a equipa de Matosinhos, e aos 5 minutos poderia mesmo ter inaugurado o marcador a seu favor, quando 'capitão' Pedro Ribeiro, de cabeça, a ameaçou a baliza à guarda de Ricardo Mora. O Leixões respondia mais em contra-ataque e, aos 16, um lance iniciado em Rateira e continuado em Pedras falhou apenas na finalização de Pedro Tavares, que, em excelente posição, atirou por cima. A segunda parte do primeiro tempo o equilíbrio foi a nota dominante, mas o perigo pouco rondava as duas balizas, exceção feita aos 28, através de um corte inadvertido de um defesa do Leixõese de um remate de Pedras já nos descontos. 

Ao intervalo, Carlos Brito tirou o 'apagado' Gonçalo Abreu e apostou na velocidade de Aldair e a (re)entrada do Penafiel foi ainda mais forte, mas Yero, aos 47 minutos, de forma escandalosa, falhou a emenda a um centro de Bata da esquerda e, no minuto seguinte, foi Ricardo Moura a negar o golo a Tiago Barros, hoje mais recuado. Os locais insistiam na procura do golo, mas só voltaram a incomodar o guarda-redes do Leixões aos 88 minutos, pelo perdulário Yero, e permitiram espaços na defesa que a formação de Matosinhos quase aproveitava, aos 53, na única e grande defesa do 'penafidelense' Coelho, a negar o golo a Miguel Ângelo, num jogo vivo para início de época.

domingo, 2 de agosto de 2015

LEIXÕES COMEÇA A VENCER COM UM BIS DE BRUNO LAMAS


Estádio Municipal de Mafra 1ª Eliminatória da Taça da Liga 
Árbitro: João Bento (Santarém). 
Ação disciplinar: Cartão amarelo para Rui Cardoso (54), Sandro (57) e Max (57). O treinador adjunto do Mafra Caetano foi expulso (85). 
MAFRA 0 LEIXÕES 2 
Ao intervalo: 0-0, Marcadores: 0-1, Bruno Lamas, (85' e 90'+4) 

 MAFRA Filipe Leão, Hugo Monteiro, Sandro, André Teixeira, Hugo Costa, Tiago Costa, Laurindo, Leo (Luís Carlos, 86), Kaká (Ivan, 53), Alisson e Adelaja (Diogo Ribeiro, 72).Treinador: Jorge Neves. 

LEIXÕES Ricardo Moura, Gonçalo Graça, Diogo Nunes, Pedro Pinto, Max, Pedro Tavares, Rui Cardoso, Rateira (Miguel Ângelo, 60), Bruno Lamas, Alemão (Rui André, 87) e Pedras (Ricardo Barros, 70) Treinador: Manuel Monteiro. 

Missão cumprida e primeira vitória conquistada. 
O Leixões venceu hoje o Mafra (2-0, bis de Bruno Lamas) na primeira eliminatória da Taça da Liga/CTT e entrou da melhor forma na época 2015/16. 
Com um Mafra, campeão do CNS a época passada facto que lhe o deu direito a participar nas competições profissionais, muito perdulário, desperdiçando algumas boas oportunidades a equipa de Manuel Monteiro aproveitou e arrumou a questão perto do fim (85’, de penálti, e 90+4’) e assegurou a qualificação para a próxima fase com todo o mérito. 
Bruno Lamas, com um inédito bis de emblema do Mar ao peito esteve em destaque na estreia promissora do Leixões na época: abriu o marcador de penálti e sentenciou nos descontos com um remate à entrada da área. 
Na segunda eliminatória, o Leixões vai defrontar o Académico de Viseu, que foi vencer o Gil Vicente, em Barcelos, por 5-4 no desempate nas grandes penalidades, após o empate 1-1 no final do tempo regulamentar. O vencedor desta segunda eliminatória qualifica-se para a terceira fase da competição, em que já participam todos os clubes da Liga NOS.

LEIXÕES SC EQUIPAS DE SONHO

LEIXÕES SC EQUIPAS DE SONHO

LEÇA FC EQUIPAS QUE FIZERAM HISTÓRIA

LEÇA FC EQUIPAS QUE FIZERAM HISTÓRIA

FC INFESTA GRANDES EQUIPAS

FC INFESTA GRANDES EQUIPAS

PADROENSE FC EQUIPA QUE SUBIU Á II NACIONAL

PADROENSE FC EQUIPA QUE SUBIU Á II NACIONAL

SC SENHORA DA HORA EQUIPAS

SC SENHORA DA HORA EQUIPAS

CUSTÓIAS FC AS SUAS EQUIPAS

CUSTÓIAS FC AS SUAS EQUIPAS

UD LAVRENSE A MELHOR EQUIPA

UD LAVRENSE A MELHOR EQUIPA

FC PERAFITA AS SUAS EQUIPAS

FC PERAFITA AS SUAS EQUIPAS

D LEÇA DO BALIO

D LEÇA DO BALIO

OS LUSITANOS SCFC

OS LUSITANOS SCFC